Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Nubank cai 20% desde estreia na Bolsa e já vale menos do que Itaú e Bradesco

Contexto negativo para papéis de tecnologia prejudica banco digital brasileiro, cujo papel caiu 40% em relação ao pico de cotação em Nova York

Matheus Piovesana, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2022 | 17h33

Após a desvalorização das últimas semanas, a ação do Nubank negocia 20% do abaixo do preço definido na oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), realizada em dezembro. O banco digital vendeu papéis a US$ 9 na oferta, e na tarde desta terça-feira, 25, a cotação era de US$ 7,20 na Bolsa de Nova York.

O papel chegou a ser negociado a US$ 11,85 dias após a estreia, em sua máxima até agora. Desde então, caiu cerca de 40%, diante do contexto de mercado negativo para papéis de empresas de tecnologia. A expectativa de altas de juros nos Estados Unidos neste ano tirou atratividade de ações de empresas com alto crescimento e lucro zero – como o Nubank.

Há duas semanas, a desvalorização do papel já havia feito a fintech perder o posto de instituição financeira mais valiosa da América Latina para o Itaú, que ocupava o posto até o IPO do Nubank. Com a queda sofrida desde então, a instituição já vale menos que o Bradesco.

Em dólares, o segundo maior banco privado do País tem capitalização de US$ 35,6 bilhões. O Itaú é avaliado em US$ 40,5 bilhões. Já o Nubank tinha valor de mercado de US$ 32,9 bilhões, cerca de US$ 9 bilhões a menos do que o valor com que estreou na Bolsa.

Balanço

Após a bem-sucedida oferta inicial, as expectativas do mercado se voltam para os resultados do quarto trimestre de 2021, que serão os primeiros que o Nubank divulgará como companhia aberta. A fintech ainda não informou em qual data os números serão publicados.

Em relatório divulgado ontem, o Itaú BBA projetou que o Nubank apresentará lucro de R$ 203 milhões no período, mas que fechará 2021 com prejuízo de R$ 326 milhões. As receitas totais da fintech devem crescer 28% em relação ao terceiro trimestre, para R$ 2,6 bilhões, graças à expansão da base de cartões e da carteira de crédito como um todo. O número de clientes deve chegar a 53,4 milhões.

O analista Pedro Leduc, do Itaú BBA, disse que a desvalorização das últimas semanas pode estar relacionada à combinação entre o cenário de mercado e as expectativas do investidor para as ações do Nubank. "Um cenário global mais adverso para growth (papéis de crescimento) tira o investidor internacional do papel. Sobra o local, e aí entra a perspectiva para o desempenho", disse.

O BBA vê um ano desafiador para os bancos digitais brasileiros. A casa ponderou que a dependência dos cartões de crédito como um problema. "Cartões de crédito são um produto-chave para a monetização e o engajamento em bancos digitais, e é onde provavelmente veremos a maior deterioração da inadimplência – particularmente entre brasileiros de menor renda, que respondem pela maior parte das bases de clientes do Nubank e do Pan", afirmaram os analistas.

Procurado, o Nubank não comentou.

Tudo o que sabemos sobre:
Nubankbanco digital

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.