O Boticário cria holding e vai buscar aquisições

Segundo o presidente da companhia, Arthur Grynbaum, objetivo é ter uma empresa em condições de atuar em várias áreas

Paula Pacheco, de O Estado de S. Paulo,

22 Março 2010 | 23h00

Segunda-feira, 22, na data em que completou 33 anos, O Boticário anunciou um faturamento recorde de R$ 1,25 bilhão e novos planos para o grupo. A empresa, cuja receita aumentou 20,2% em 2009, acaba de criar a holding Grupo Boticário. Debaixo do guarda-chuva, além da empresa O Boticário, está a recém-criada GKDS, que cuidará da prospecção de novos negócios.

 

A proposta, segundo Artur Grynbaum, presidente da companhia, é ter uma empresa em condições de atuar em várias áreas de negócio. Por enquanto, ele dá poucas pistas sobre o que pode interessar ao portfólio da GKDS. Grynbaum confirma que já existem negócios em estudo e os futuros passos da nova empresa podem passar por aquisições.

 

Um dos interesses da GKDS é no desenvolvimento de novos canais de distribuição. Ao contrário de muitos concorrentes, representativos na venda direta, a empresa atua apenas por meio das vendas nas lojas d’O Boticário. "Além da venda direta, poderíamos estudar um outro sistema de franquias ou investimentos no comércio eletrônico", sugere, de forma muito vaga.

 

Grynbaum trabalha tanto com a possibilidade de criar uma marca quanto com a de se associar a uma empresa que já esteja no mercado por meio de aquisição.

 

A criação da holding, segundo o presidente da empresa, é a evolução de um processo de gestão iniciado em 2008, quando O Boticário começou a se movimentar na direção da governança corporativa. Na época, o fundador Miguel Krigsner se afastou do comando da empresa e passou a presidir o conselho de administração. Além disso, a companhia adotou a figura dos conselheiros de fora da empresa, profissionalizando os negócios.

 

Na época, se começou a falar que O Boticário partiria para uma abertura de capital na Bolsa (IPO), direção seguida por muitas empresas que investem em governança corporativa. Apesar de ter dado mais um passo para consolidar sua governança, Grynbaum garante que o IPO não está nos planos de curto ou de médio prazos. "Queremos, com a GKDS, dar mais clareza a cada estrutura de negócios."

 

Para montar a estrutura inicial da GKDS, foi preciso investir R$ 2 milhões. Apesar de ter o mesmo presidente, Grynbaum, e o mesmo presidente do conselho, Krigsner, a nova empresa terá uma estrutura separada de O Boticário.

 

Alta

 

Os resultados de vendas d’O Boticário mostraram um crescimento maior que a média do setor de beleza, que teve uma alta de 14,4%. O faturamento, de R$ 1,25 bilhão, foi 20,2% maior do que o do ano anterior. Já o faturamento da rede, incluindo as franquias, foi de R$ 3,5 bilhões

 

Para este ano, Grynbaum espera repetir essa taxa de crescimento. "Apesar do clima que havia com a crise, fomos assertivos nas decisões. Investimos R$ 170 milhões entre o novo centro de distribuição e o aumento da capacidade de produção, e abrimos 180 lojas. A previsão no início de 2009 era abrir apenas 100." Neste ano, Grynbaum espera ter pelo menos 100 novos pontos de venda. Atualmente O Boticário tem 2.840 lojas, em 1.550 municípios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.