Obama diz que economia dos EUA passa por ‘melancolia pós-recessão’

Obama afirmou que é possível encontrar uma solução para os problemas do país, mas acusou o Congresso de retardar ações que poderiam ajuda a economia norte-americana

Álvaro Campos, da Agência Estado,

19 de outubro de 2011 | 11h58

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que enfrenta uma difícil campanha de reeleição, afirmou que a economia do país passa, há três anos, por uma "melancolia pós recessão".

"As pessoas viram o valor das suas casas diminuir, perderam seus empregos... todos os conflitos e tensões pelos quais as pessoas estão passando todos os dias. Mas mesmo por uma década antes da crise, as pessoas viram seus salários achatados, suas rendas achatadas", comentou ele em uma entrevista veiculada ontem pela emissora ABC.

Obama afirmou que é possível encontrar uma solução para os problemas do país, mas acusou o Congresso de retardar ações que poderiam ajuda a economia norte-americana. "Se vocês percebem um sentimento de urgência na minha voz, é porque esses problemas têm solução. Mas não pensem que nós estamos trabalhando em Washington com o senso de urgência que é necessário".

A entrevista foi concedida durante uma viagem de ônibus de três dias que Obama fez pelos Estados da Carolina do Norte e Virgínia, na qual tentou angariar apoio para seu plano de emprego de US$ 447 bilhões. O projeto não foi aprovado pelo Senado da maneira que foi enviado, mas está sendo dividido e deve ser votado em partes.

Obama reconhece que a frágil situação da economia está dificultando sua reeleição. "Eu posso garantir que será uma disputa apertada, porque a economia não está na situação que deveria". O presidente foi questionado sobre qual é sua avaliação para seu mandato até agora. Ele respondeu "incompleto", "porque o trabalho que nós começamos ainda não está concluído". As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.