Obama diz que elevação do teto da dívida por um prazo curto não é boa

Negociação entre Obama e deputados atingiu impasse; proposta prevê elevar o teto da dívida dos EUA por seis semanas 

Álvaro Campos, da Agênica Estado, e Reuters,

12 de outubro de 2013 | 12h11

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse no seu programa semanal de rádio neste sábado, 12, que republicanos e democratas podem conseguir grandes avanços na política fiscal, mas somente após o Congresso aprovar o financiamento do governo e a elevação do limite legal de endividamento.

Segundo Obama, a paralisação do governo afeta justamente aqueles que mais precisam da ajuda da administração federal. Por isso, cada vez mais parlamentares republicanos têm discordado da liderança do partido e dito que é preciso reabrir o governo. "Não seria aconselhável, como têm sugerido alguns, elevar o teto da dívida por poucos meses e jogar com o risco de um possível default em meio à temporada de compras de Natal", comentou Obama.

Os republicanos fizeram um proposta para elevar o teto da dívida por seis semanas, até 22 de novembro, o que significa que no fim de novembro o impasse no Congresso pode se repetir, afetando a confiança das famílias e assim suas decisões de consumo.

No programa de rádio dos republicanos neste sábado, o deputado Howard "Buck" McKeon lembrou que republicanos e democratas chegaram a um acordo para permitir o pagamento de pensões para as famílias de militares mortos em serviços. Segundo ele, a Casa Branca deveria aceitar mais projetos nesse sentido, para financiar individualmente determinadas partes do governo. "Obama e os parlamentares democratas precisam rapidamente se sentar com os republicanos para resolver as diferenças", comentou.

Impasse

Em um encontro dos deputados republicanos na manhã deste sábado, o presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, John Boehner, disse aos seus correligionários que as negociações entre a oposição e a Casa Branca atingiram um impasse. Segundo o deputado Richard Hudson, que participou da reunião, Boehner disse que as conversas com Obama estão travadas e que agora ele aguarda o presidente retomar as negociações.

No fim da tarde de ontem, o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, afirmou que Obama tem "algumas preocupações" com a proposta dos republicanos e que o teto da dívida deveria ser elevado por mais tempo. "Obama e Boehner concordaram que todos devem continuar conversando", comentou o porta-voz.

Obama e líderes republicanos no Congresso se empenharam nesta sexta-feira em superar o impasse fiscal, mas enfrentavam dificuldades para definir detalhes de um acordo. Os deputados republicanos esperavam nesta sexta-feira por uma resposta da Casa Branca à sua nova oferta, disse um assessor, sem entrar em detalhes.

Os republicanos também acenaram com a possibilidade de uma rápida reabertura dos órgãos públicos se Obama se comprometer com medidas mais amplas para a redução do déficit. Em reunião com senadores republicanos na sexta-feira, Obama manifestou preocupação de que a prorrogação do teto da dívida seja efêmera, e falou sobre a necessidade de novas fontes de arrecadação como parte de qualquer plano de longo prazo para a redução do déficit, segundo o senador republicano Orrin Hatch.

Tudo o que sabemos sobre:
ObamaEUAgastos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.