Susan Walsh/AP
Susan Walsh/AP

Obama fala com líderes do Congresso horas antes da paralisação dos EUA

Prazo para acordo no Congresso norte-americano termina nesta segunda-feira; impasse levará a um fechamento parcial das agências federais do país

Agência Estado,

30 de setembro de 2013 | 21h12

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, conversou por telefone com os quatro principais líderes do Congresso na noite desta segunda-feira na tentativa de evitar uma paralisação parcial do governo, horas antes da meia-noite, quando expira o prazo legal.

Segundo a Casa Branca, a conversa mais importante foi com o líder da maioria republicana na Câmara, John Boehner. "O presidente telefonou para Boehner no começo da noite de hoje para discutir o financiamento para o governo e o Obamacare", afirmou o porta-voz do líder republicano, Brendan Buck, em comunicado. Obamacare foi o apelido dado à legislação de reforma nacional do sistema de saúde.

"Boehner disse ao presidente que o Obamacare custa empregos e que estão sendo negados às famílias americanas direitos básicos em favor de grandes empresários." Buck disse que a conversa por telefone durou 10 minutos.

Obama também telefonou para a líder da minoria na Câmara, Nancy Pelosi, para o líder da maioria no Senado, Harry Reid, e para o líder da minoria no Senado, Mitch McCnnell.

Impasse. A Câmara dos Representantes, controlada pelos republicanos, partido de oposição ao presidente Barack Obama, aprovou um plano que impõe um adiamento de um ano em partes importantes da lei da reforma da saúde e rejeita um aumento de imposto sobre alguns aparelhos médicos.

Essa discussão está atrelada às negociações para aprovar um projeto de financiamento temporário para o ano fiscal de 2014 antes da noite desta segunda-feira - quando termina o atual ano fiscal do país.

Isso porque o projeto que financia o governo até 15 de novembro foi aprovado pelo Senado e devolvido à Câmara com a adição de recursos para a reforma da saúde. Se os parlamentares não chegarem a um acordo, haverá uma paralisação parcial das agências federais a partir da terça-feira, com dezenas de milhares de funcionários entrando em férias coletivas.

Fechamento. O último fechamento do governo ocorreu em 1996 e durou 23 dias. Acredita-se que a paralisação deste ano pode durar mais. Desta vez, nenhuma das 12 medidas de financiamento do governo foi aprovada, o que provocará a paralisação de todos os setores, exceto as funções que possuem sua própria fonte de recursos.

Esta é mais uma das batalhas fiscais que têm dominado Washington nos últimos anos, evidenciando a profunda divisão entre os republicanos e o governo Obama e seus aliados democratas. Nas ocasiões anteriores, os dois lados conseguiram chegar a acordos de última hora para evitar uma paralisação.

(Com informações da Dow Jones Newswires e da Associated Press)  

Tudo o que sabemos sobre:
Economia EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.