OceanAir adota marca Avianca e apresenta primeiro A319

Com capacidade para 132 passageiros, a aeronave tem configuração de classe única

Fabiana Holtz, da Agência Estado,

26 de abril de 2010 | 14h41

A OceanAir anunciou nesta segunda-feira que passa a operar com a marca Avianca, maior companhia aérea da Colômbia, que é controlada pelo empresário boliviano naturalizado brasileiro German Efromovich, através do grupo Synergy Aerospace. Segundo o presidente da OceanAir, José Efromovich, irmão de German, foi assinado um contrato formal sem remuneração para uso da marca, portanto, a razão social da companhia permanece OceanAir. O site da empresa passa a adotar o nome Avianca a partir de hoje.

 

A empresa também anunciou a operação nos próximos dias de seu primeiro Airbus A319. Com capacidade para 132 passageiros, a aeronave tem configuração de classe única. "Esse avião poderia ter 150 lugares, mas optamos por oferecer mais espaço", diz o executivo. A empresa receberá o segundo A319 no final de maio, o terceiro entre o final de junho e início de julho e o quarto até dezembro. Com a chegada dos novos aviões, a companhia aérea prevê um crescimento de 30% em 2010 em receita e oferta de assentos. "Com isso, nossa participação de mercado deve ficar próxima de 4% até o final do ano." Em participação no mercado interno, no momento a OceanAir ocupa a sexta posição, com 2,5%.

 

Nos próximos dois meses, o primeiro A319 percorrerá a rota Porto Alegre, São Paulo, Brasília e Salvador. Com a entrada em operação do segundo Airbus, essa aeronave será destacada para a ponte aérea Rio-São Paulo.

 

Foram investidos US$ 250 milhões neste ano, dos quais US$ 200 milhões apenas para a compra de aviões. Depois da reestruturação, anunciada em abril de 2008, agora a empresa se diz preparada para crescer. "Na ocasião reduzimos frota e pessoal, mas estamos prontos para retomar o espaço perdido", acrescenta Efromovich.

 

Segundo Renato Pascowitch, diretor executivo da companhia, os programas de relacionamento de ambas permanecem inalterados. "Estamos trabalhando para a integração dos programas de fidelidade, mas por enquanto os clientes continuam sendo atendidos de forma separada".

 

Conforme a companhia, a Avianca planeja comprar mais aeronaves em 2011, mas isso dependerá da evolução do mercado. Desde 2008, quando teve início o projeto de renovação da frota, o grupo Synergy já investiu US$ 6 bilhões.

 

Interesse em IPO

 

Perguntado sobre o interesse da companhia em abrir capital, Efromovich lembrou que a Avianca se preparou para lançar um IPO em 2008, mas desistiu em razão da piora nas condições de mercado. "Hoje diria que isso não é considerado prioridade, mas no médio prazo posso dizer que sim, avaliamos a questão", afirmou o executivo.

 

Com relação aos planos de novas rotas, o presidente da companhia diz não ter planos de entrar em novos mercados ou trocar os Fokker MK28 que opera. "Atualmente temos 15 desses voando na Colômbia e 14 no Brasil e não temos nenhuma intenção de aposentá-las".

 

A aérea colombiana, fundada em 1919, já havia anunciado em outubro do ano passado fusão com o Grupo Taca, de El Salvador, que é controlado pela família Kriete. O negócio resultou na criação de uma das maiores empresas aéreas da América Latina, com receita anual de quase US$ 3 bilhões e com atuação em toda a região. German Efromovich controla 67% da nova companhia por meio de sua holding Synergy Aerospace e a família Kriete possui os outros 33% de participação. O Grupo Taca possui um conjunto de companhias independentes na América Central e no Peru, enquanto a Avianca é dona da OceanAir e da equatoriana VIP.

Tudo o que sabemos sobre:
OceanAirAviancaaviação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.