Ocupação do setor atinge níveis de 2008

Depois de atingir o pico em 2011, ocupação da rede hoteleira está em queda, com ritmo menor da economia

Naiana Oscar, O Estado de S. Paulo

11 Maio 2015 | 05h00

As perspectivas para o mercado hoteleiro nos próximos dois anos não são animadoras. A ocupação dos hotéis, que atingiu o pico de quase 70% em 2011, está em queda desde o ano passado e já beira os 64% – mesmo nível de 2008.

O otimismo de quatro anos atrás somado às expectativas com a Copa do Mundo no Brasil motivaram os investidores a desenvolver novos projetos na hotelaria, que estão sendo entregues justamente neste momento de desaceleração econômica.

Segundo estimativas da consultoria Jones Lang Lasalle, existem 605 projetos em andamento que devem adicionar mais 115 mil apartamentos no mercado nos próximos anos. “Mais hotéis e menos hóspedes significa queda no preço das diárias e uma rentabilidade menor”, diz Ricardo Mader Rodrigues, vice-presidente da consultoria. “É um raciocínio complexo, que deve ser visto sob dois pontos de vista diferentes: o da oferta e o da demanda.” 

O resultado dessa equação está aparecendo aos poucos, com o adiamento ou até o cancelamento de alguns projetos. Embora não haja levantamentos que confirmem essa tendência, o consultor Diogo Canteras, da Hotel Invest, diz que é possível identificar a retração dos investidores ao analisar o número de empreendimentos que estão sob análise da Comissão de Valores Mobiliários.

Desde o ano passado, a autarquia passou a acompanhar com lupa os chamados condo-hotéis, construídos com dinheiro de investidores pulverizados, que passam a ser remunerados periodicamente com o resultado da exploração do hotel. No início de 2014, a CVM passou a considerar esse produto um investimento coletivo e exigir que o estudo de viabilidade do empreendimento seja divulgado para o investidor. “Dos cerca de 260 condo-hotéis que estão em desenvolvimento no País, só 15 deram entrada na CVM até agora”, diz Canteras. “Isso dá uma ideia da intensidade da freada que houve no setor.”

Alguns mercados estão sofrendo mais do que outros, como o de Belo Horizonte, que já está saturado e deve apresentar neste ano uma taxa de ocupação próxima de 40%, segundo o estudo Placar da Hotelaria, elaborado pela Hotel Invest. Outros podem entrar em colapso nos próximos anos, como a região da Barra da Tijuca, no Rio. “Essa área, que há dois anos tinha 2,5 mil quartos, terá 7,5 mil depois da Olimpíada”, diz Canteras.  

O novo presidente da Accor, Patrick Mendes, admite que este será um ano mais difícil para o setor. Ainda assim, diz que vai manter os planos de investimento. “A crise é passageira. Estamos olhando para o futuro.” 

Mais conteúdo sobre:
economia hotelaria mercado hoteleiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.