Paulo Giandalia/Estadão
Paulo Giandalia/Estadão

Odebrecht muda política de governança para tentar separar família e gestão

Para atrair sócios, grupo anunciou que presidente da holding não poderá mais ser membro da família; executivo passará a ser escolhido pelo presidente do conselho, hoje Emílio Odebrecht – o que, segundo analistas, pode dar a impressão de que mudança é inócua

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

12 Dezembro 2017 | 05h00

A uma semana da saída de Marcelo Odebrecht da prisão, a Odebrecht S/A, holding que reúne os negócios da família, anunciou nesta segunda-feira, 11, mudança em sua política de governança com o objetivo de separar acionistas e gestão. A empresa afirmou que, a partir de agora, o diretor-presidente da Odebrecht S/A não poderá ser mais membro da família. O executivo, porém, será escolhido pelo presidente do conselho, cargo hoje exercido por Emílio Odebrecht.

No comunicado divulgado nesta segunda-feira, a empresa anunciou ainda a intenção de atrair sócios e abrir o capital da Odebrecht S/A. Definiu também limites de idade para executivos (65 anos) e conselheiros (75 anos). A companhia já havia anunciado outros compromissos de governança, como a representação mais plural em seu conselho de administração, e medidas organizacionais, como a mudança de nome de alguns de seus negócios (leia mais abaixo).

++Odebrecht estende leniênica com MPs nos Estados

A presença de Emílio Odebrecht na presidência do conselho é reflexo de acordo que permitiu ao executivo comandar a reorganização da holding até 2018, com a meta de fazer mudanças para impedir que os negócios “sangrem” ainda mais. Desde o início da Lava Jato, em 2014, o grupo viu seu total de funcionários encolher em mais de 60% – há três anos, a companhia tinha 200 mil colaboradores; hoje, são 75 mil.

Embora hoje o comando da Odebrecht S/A seja exercido por Luciano Guidolin – que não é da família, mas tem mais de 20 anos no grupo –, a decisão anunciada nesta segunda-feira afasta a possibilidade de que um Odebrecht possa retomar a função. Com a saída da prisão marcada para o próximo dia 19, Marcelo Odebrecht está impedido de voltar ao cargo. O acordo com a Justiça prevê que ele fique fora do grupo pelo menos até 2019.

Segundo uma fonte de mercado, o processo de transformação organizacional da Odebrecht não estaria concluído. Embora o comunicado divulgado nesta segunda-feira diga que “a família será representada na Odebrecht S/A pelo presidente do CA (conselho de administração)”, o Estado apurou que não está descartada a possibilidade de a família se abster também desta função no futuro.

Reações. Para analistas, manter a escolha do principal executivo nas mãos da família pode dar a impressão de que a mudança é inócua. Segundo Herbert Steinberg, sócio da consultoria Mesa Corporate, a decisão da Odebrecht nada muda na prática. “O executivo escolhido, naturalmente, precisará estar alinhado aos interesses da família”, disse o consultor. Na visão de Steinberg, a obrigação de responder diretamente à família vai dificultar a atração de executivos com experiência internacional, reduzindo a chance de recuperação econômica do grupo.

Outro especialista em governança corporativa, que pediu para não se identificar, afirmou que, sem a saída efetiva da família do negócio, o “ressentimento” da sociedade com a empresa dificilmente passará. Para a fonte, será necessária uma legislação, no futuro, mais parecida com a dos Estados Unidos, que prioriza a manutenção dos empregos e agiliza a troca do controle em grupos que perderam sua reputação. Segundo ele, a impressão hoje é de que, após todo o escândalo de corrupção, nada mudará para os donos de grandes conglomerados.

Mais conteúdo sobre:
Operação Lava Jato Odebrecht

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.