JF Diorio/ESTADÃO
JF Diorio/ESTADÃO

Odebrecht negocia ativo de açúcar e etanol

Companhia está oferecendo a credores o controle da Atvos Agroindustrial como alternativa para a reestruturação de dívida

Reuters

16 de janeiro de 2019 | 04h00

A Odebrecht está oferecendo a credores o controle da unidade de açúcar e etanol Atvos Agroindustrial como principal alternativa para a reestruturação de dívida, afirmaram duas fontes com conhecimento do assunto, segundo a agência Reuters.

A Atvos é a segunda maior empresa de etanol do Brasil, depois da Raízen, joint venture entre a Shell e a empresa de energia Cosan.

O movimento é o mais recente sinal da reestruturação do conglomerado brasileiro, conhecido por suas operações de engenharia e construção, que hoje tem uma dívida consolidada de R$ 70 bilhões.

Recomeço

Acusada de subornar políticos e executivos para obter contratos em toda a América Latina, a Odebrecht fez um acordo há dois anos com autoridades norte-americanas, brasileiras e suíças, pagando um valor recorde de US$ 3,5 bilhões em multas.

A dívida da Atvos, de R$ 12 bilhões, está concentrada com os principais bancos brasileiros. As instituições estatais, incluindo Banco do Brasil e Caixa, seriam as mais expostas ao risco da companhia, conforme fontes próximas ao assunto. Procuradas, o BB e a Caixa não quiseram comentar o assunto. A Odebrecht não retornou as ligações.

A opção de troca de dívida pelo controle daria à Atvos mais tempo para se recuperar sem ter de vender usinas, outra alternativa potencial para os débitos. As fontes ouvidas pela Reuters, que pediram anonimato, afirmaram que a venda dos ativos da companhia de açúcar e etanol pode não ser suficiente para pagamento da dívida da companhia.

Mais conteúdo sobre:
OdebrechtAtvos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.