Odebrecht tem interesse em até dois trechos rodoviários

A Odebrecht TransPort deve apresentar estudos de apenas um ou dois lotes de rodovias a serem incluídos pelo governo federal no programa de concessões rodoviárias, que prevê a cessão de cinco trechos ainda este ano, incluindo a Ponte Rio-Niterói. Embora tenha manifestado interesse em desenvolver estudos para quatro concessões, a companhia deve centrar esforços principalmente na região Centro-Oeste, onde venceu recentemente a disputa pela concessão da BR-163 no Mato Grosso.

ANDRÉ MAGNABOSCO, Agencia Estado

19 de março de 2014 | 20h44

"Temos que fazer escolhas. Apresentamos carta de interesse para quatro (lotes), mas provavelmente não vamos apresentar as quatro. Talvez faremos efetivamente estudo de uma ou duas", destacou o diretor de Rodovias da Odebrecht TransPort, Renato Mello. Seriam candidatos naturais a receber maior prioridade por parte da companhia os trechos da BR-364, entre Mato Grosso e Goiás, e das BRs 163 e 230, entre o Mato Grosso e o Pará, justamente pelos traçados, que dão continuidade ao trecho da BR-163 conquistada ano passado. Além desses dois lotes, a empresa também solicitou autorização para estudar a BR-364, entre Goiás e Minas Gerais.

Além desse eixo, a Odebrecht TransPort demonstrou interesse em elaborar um estudo para a concessão da Ponte Rio-Niterói. "Estamos estudando para ver a viabilidade de cada projeto e definir onde efetivamente vamos investir", destacou o executivo, que participou nesta quarta-feira, 19, do Fórum Brasil: Diálogos para o Futuro, promovido pela Carta Capital.

Mello destacou que a Odebrecht TransPort está focada em regiões onde o crescimento é superior ao desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Por isso, a região central e o escoamento da soja são considerados atrativos. Outros projetos, como a própria Ponte Rio-Niterói, e a Tamoios, em São Paulo, também estão no radar da Odebrecht TransPort.

Tudo o que sabemos sobre:
concessões rodoviáriasOdebrecht

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.