Oferta de ações da Azul parece improvável, diz Neeleman

O fundador da Azul Linhas Aéreas, David Neeleman, disse que a oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da companhia este ano parece improvável, em função das condições do mercado, mas que continuará pressionando para que a abertura de capital aconteça quando houver uma oportunidade. "Não é uma questão de ''se'', mas de ''quando''", afirmou.

AE, Agencia Estado

13 de agosto de 2013 | 12h21

Segundo ele, as condições do mercado este ano "podem ser difíceis, mas nós estamos observando para ver se a situação melhora". A Azul planeja utilizar os recursos captados com o IPO para comprar novos aviões e acrescentar rotas, mas Neeleman afirma que a companhia não precisa de dinheiro. Assim, a empresa não tem outros planos de financiamento no momento, porque eles não são necessários.

A Azul registrou a documentação necessária para o IPO em maio e planeja levantar entre US$ 500 milhões e US$ 700 milhões com a oferta, segundo fontes com conhecimento do assunto. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
AzulIPO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.