Oferta do sistema Gol cai 3,8% em maio; yield sobe

A oferta de total de assentos do sistema Gol recuou 3,8 por cento em maio sobre um ano antes, resultado da racionalização de voos da companhia a partir de março.

REUTERS

20 de junho de 2012 | 11h07

Já a demanda no sistema Gol caiu 0,2 por cento em maio sobre um ano antes, informou a companhia nesta quarta-feira.

No mercado doméstico, a demanda cresceu 3,2 por cento em maio na comparação anual, avanço atribuído ao feriado de 1o de maio.

Mas a oferta da Gol no país caiu 1,2 por cento sobre um ano antes, por conta dos cortes nos voos à medida que companhia aérea tem adotado esta com uma das medidas visando a redução de custos.

"A rentabilidade dos voos foi o principal fator para definir os cortes, onde os trechos mais longos e voos noturnos foram os mais impactados. Estas medidas tiveram como resultado a queda de 7 por cento da produtividade diária das aeronaves", disse a Gol em comunicado.

Já o yield líquido, índice que mede o preço cobrado por passagens aéreas, da Gol cresceu 2 por cento no mês passado na comparação com maio de 2011, para entre 18,6 centavos e 19,1 centavos de real.

Em maio, a Gol apresentou uma taxa de ocupação no sistema total de 65,2 por cento, aumento de 2,3 pontos percentuais na comparação com o mesmo mês do período anterior.

A oferta no sistema consolidado, que inclui a Webjet, teve queda de 1,9 por cento no mês passado, enquanto da demanda subiu 1,7 por cento no mês.

(Por Sérgio Spagnuolo)

Tudo o que sabemos sobre:
AEREASGOLDEMANDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.