OGX, de Eike Batista, é a empresa brasileira com maior prejuízo no 3º tri

Companhia amargou prejuízo de R$ 343,3 milhões no período; aérea Gol aparece em segundo lugar, com perda R$ 309,3 milhões, segundo a consultoria Economatica

Eulina Oliveira, da Agência Estado,

26 de novembro de 2012 | 12h19

Texto atualizado às 14h15

SÃO PAULO - A petrolífera OGX, do empresário Eike Batista, é a empresa brasileira que teve  o maior prejuízo no período de julho a setembro de 2012: R$ 343,331 milhões. Em segundo lugar, vem a Gol, com perdas de R$ 309,352 milhões, seguida pela Celpa, Amil, Fibria, Panamericano, Viver, Paranapanema, Cobrasma e Usiminas.Os dados foram divulgados nesta segunda-feira, 26, pela consultoria Economatica, que analisou os resultados de 327 empresas de capital aberto brasileiras no terceiro trimestre.

O setor com o maior lucro consolidado no período é o de bancos. Juntas, as 25 instituições do setor atingiram lucro líquido consolidado de R$ 11,297 bilhões, ou 8,24% menos do que no mesmo período do ano passado, quando lucraram R$ 12,312 bilhões.

Já o segundo setor mais lucrativo é o de petróleo e gás. No terceiro trimestre, o setor obteve ganho de R$ 5,356 bilhões, inferior em 15,4% ante o mesmo período de 2011, quando as seis empresas do segmento lucraram R$ 6,331 bilhões.

A empresa com o maior lucro individual no terceiro trimestre de 2012, por sua vez, é a Petrobrás, com R$ 5,566 bilhões - ou 12,2% menor do que de julho a setembro do ano passado. Entre os dez maiores lucros, quatro são do setor bancário (Itaú, Bradesco, Banco do Brasil e Santander), dois do setor de energia elétrica (Eletrobras e Cemig), um de alimentos e bebidas (Ambev), um de mineração (Vale) e um de telecomunicações (Telefônica Brasil).

O setor de energia elétrica, com 37 empresas, tem a terceira colocação entre os maiores lucros consolidados, com R$ 4,516 bilhões, ou recuo de 21,38% em relação a julho a setembro de 2011, quando as mesmas empresas tiveram lucro de R$ 5,744 bilhões.

Já o setor de alimentos e bebidas é o setor com o quarto maior lucro líquido, com R$ 3,535 bilhões no terceiro trimestre de 2012, alta de 111,8% ante o mesmo período do ano passado.

O lucro líquido consolidado das 327 empresas de capital aberto brasileiras foi de 37,859 bilhões, o que representa uma queda de 8,6% ante os R$ 41,422 bilhões verificados no mesmo período de 2011.

A mesma análise, feita porém retirando a Vale da amostra, mostra que, no terceiro trimestre de 2012, 326 companhias abertas lucraram R$ 34,531 bilhões no total - superior em 2,99% ao igual intervalo do ano passado. De julho a setembro deste ano, a mineradora teve lucro de R$ 3,328 bilhões, inferior em 57,8% em relação ao mesmo período de 2011.

Dos 22 setores analisados, 11 tiveram crescimento do lucro, dez queda e um ficou estável (minerais não metálicos). O setor de papel e celulose, com cinco empresas, registrou no terceiro trimestre de 2012 lucro de R$ 85 milhões, contra prejuízo no mesmo intervalo do ano anterior de R$ 1,785 bilhão, enquanto o setor químico saiu de um prejuízo de R$ 877 milhões no terceiro trimestre de 2011 para um lucro de R$ 202 milhões de julho a setembro deste ano.

Tudo o que sabemos sobre:
lucroempresaseconomatica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.