OGX entra com pedido de recuperação judicial

A petroleira OGX, do empresário Eike Batista, entrou na tarde desta quarta-feira, 30, com pedido de recuperação judicial no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. A informação é do advogado Sérgio Bermudes, que está à frente do processo.

MARIANA DURÃO, Agencia Estado

30 de outubro de 2013 | 17h21

Criada em 2007, a OGX acumula dívidas sem garantia de US$ 5,1 bilhões. O valor inclui US$ 3,6 bilhões de detentores de títulos de dívida emitidos no exterior, caso das gestoras americanas BlackRock e Pimco. Além disso, há US$ 546 milhões em dívidas com fornecedores e pelo menos US$ 900 milhões com a OSX, braço de construção naval do grupo EBX - a companhia alega que o montante chegaria a US$ 2,6 bilhões. Há também dívidas de pouco mais de US$ 300 milhões com bancos como Itaú, Santander e Morgan Stanley, mas no caso dessas instituições financeiras os débitos contam com garantias.

Mais cedo, em resposta à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a petroleira informou que ainda não tinha tomado uma decisão sobre ingressar no processo de recuperação judicial, e que essa definição seria feita pelo Conselho de Administração da companhia.

A OGX reportou ainda que a venda de 40% dos blocos BM-C-39 e BM-C-40 à malaia Petronas ainda está sendo discutida no processo de recuperação financeira da petroleira, comandado pela Angra Partners e Lazard. "Tão logo tenhamos definição sobre os assuntos supra mencionados faremos divulgação através de Fato Relevante", finalizou a empresa no comunicado.

Tudo o que sabemos sobre:
OGXrecuperação judicial

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.