OGX Petróleo e Gás pede registro para oferta pública de ações

A OGX Petróleo e Gás Participações,do empresário Eike Batista, submeteu nesta terça-feira àComissão de Valores Mobiliários (CVM) pedido de registro pararealizar uma oferta pública inicial primária de ações (IPO, nasigla em inglês). A operação será coordenada pelos bancos Credit Suisse, UBSPactual, Merrill Lynch e Itaú BBA. Criada em setembro do ano passado e ainda pré-operacional,a OGX se apresenta como a maior companhia independente deexploração e produção de petróleo e gás natural do Brasil edetém concessões para exploração em áreas que somam 7 milquilômetros quadrados. Em dezembro de 2007, a OGX fez uma colocação privada deações, com a qual captou 1,3 bilhão de dólares para investirnos seus 21 blocos exploratórios na costa brasileira em quatrobacias (Campos, Santos, Espírito Santo e Pará-Maranhão). "A nossa companhia irá operar 14 desses blocos, sendo assete concessões remanescentes operadas pelos nossos parceirosMaersk e Perenco. Para operar essas concessões também deve irboa parte dos recursos captados com a oferta pública de ações,que será colocada apenas entre investidores qualificados",segundo trecho do prospecto preliminar encaminhado à CVM. "Pretendemos empregar esses recursos para desembolsos decapital relativos à campanha exploratória em nossos atuaisblocos, com novas oportunidades de investimentos, nodesenvolvimento inicial de descobertas esperadas, bem como comcapital de giro e despesas gerais e administrativas." A OGX também informou ter contratado um estudo deviabilidade com a consultoria DeGolyer & MacNaughton, queindicou que os blocos nos quais a companhia obteve concessãopara explorar contêm reserva potencial de petróleo e gásnatural estimada em 4,8 bilhões de barris. Eike Batista é controlador do grupo EBX, que atua emmineração, siderurgia, logística e geração de energia, por meiodas empresas MMX, LLX e MPX.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.