Oi antecipa meta de universalização para banda larga

Às vésperas da Telebrás entrar no mercado de transmissão de dados, o Grupo Oi antecipou em um ano sua meta de universalização do serviço de banda larga. O presidente da companhia, Luiz Eduardo Falco, revelou que, até o fim do ano, todos os municípios da área de concessão da Oi terão acesso a banda larga. Com a compra da Brasil Telecom em 2008, a companhia passou a operar em todos os municípios do país, com exceção de São Paulo, região coberta pela Telefônica. O executivo participou hoje do Forum Nacional no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

MÔNICA CIARELLI, Agencia Estado

19 de maio de 2010 | 19h15

Apesar da coincidência de cronograma, Falco negou qualquer relação entre a decisão de antecipar a meta e o retorno da Telebrás. Segundo ele, a opção por acelerar o trabalho tem como pano de fundo apenas o fato de a companhia ter outras metas para instalações de infraestrutura de telecomunicações.

Como a universalização não é rentável para a empresa, Falco explica que o melhor caminho é realizar o investimento de uma só vez. O empresário explica que o técnico que vai até o município instalar a rede de telefone pode aproveitar a viagem e também instalar a tecnologia de banda larga.

O executivo não quis comentar a possibilidade de a Telebrás assumir todos os contratos do setor com a administração pública (federal, estadual, municípios e estatais). "Isso é uma discussão do sindicato", afirmou. Mas ele admitiu que o Grupo Oi tem "muitos contratos" com a administração pública.

Tudo o que sabemos sobre:
telefoniainternetbanda largaOi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.