Óleos comestíveis: Índia deve aumentar importações em 2004/05

São Paulo, 22 - As importações de óleos comestíveis da Índia no ano comercial encerrado em 31 de outubro de 2005 devem aumentar 16% para 5,1 milhão de t, contra as 4,4 milhões de t no ano safra 2003/04, disse o presidente da Organização Central da Indústria e Comércio de Óleo Sandeep Bajoria. Segundo ele, "é praticamente certo que a safra de oleaginosas no país será menor, aumentando a demanda no ano fiscal 2004/05". Bajoria diz que redução da safra deve ocorrer por causa do baixo volume das chuvas de monções entre junho e setembro, principal fonte de água para as lavouras. Segundo a organização, a produção de óleos comestíveis deve atingir 13 milhões de t neste ano, contra 14 milhões em 2003. Dentre as oleaginosas, a produção de soja é projetada em 6,6 milhões de t, abaixo das 6,8 milhões de t. Mas as estimativas de participantes da indústria variam de 15% a 20%. O diretor geral da Acalmar Oils & Fats Ltd. Pradeep Chowdhry, por exemplo, estima importações de mais de 5,5 milhões de t. A produção de oleaginosas não deve exceder as 22 a 23 milhões de t, contra as 25 milhões de t produzidas em 2003/04, disse o diretor executivo da Associação de Extratores da Índia. As informações foram divulgadas durante conferência realizada no fim de semana em Hyderabad, cidade na região Centro-sul da Índia, no último fim de semana. A Índia é um dos maiores importadores e consumidores de óleos comestíveis. Cerca de 74% do produto adquirido é proveniente da Indonésia e Malásia, enquanto o óleo de soja é comprado principalmente do Brasil e da Argentina. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.