ONS sugere limitar envio de energia à Argentina em 500MW

O Operador Nacional do Sistema(ONS) sugeriu limitar em 500 megawatts médios o volume deenergia que o Brasil deve enviar para a Argentina, e desde quehaja folgas de transmissão. A energia viria do sub-sistema Sudeste/Centro-Oeste, únicoa ter condições de fornecimento, segundo estudo do ONS sobre oimpacto da exportação de energia para o país vizinho, O envio de energia do Brasil para a Argentina é fruto de umacordo firmado entre os governos dos dois países em fevereiro,e prevê o retorno do mesmo volume de energia durante o verãobrasileiro, quando o consumo aumenta. O ONS argumentou que a limitação do volume em 500 MW foimotivada pelas "condições de atendimento à região Nordeste,pela disponibilidade energética do Norte e pela baixacapacidade de regularização dos reservatórios do Sul". Em nota técnica, o operador ressaltou que seriarecomendável que a exportação priorize a energia de térmicasnão despachadas, sendo as hidrelétricas envolvidas apenas "emsituações excepcionais" e para complementar a energia térmica aser enviada. Ainda segundo a nota, se a Argentina não devolver a energiaemprestada até novembro, o Brasil perderá até 1 por cento dacapacidade de armazenar energia no subsistemaSudeste/Centro-Oeste no mesmo mês. (Reportagem de Denise Luna; Edição de Marcelo Teixeira)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.