Opel pede ajuda de governos para financiar cortes de empregos

A Opel, subsidiária da General Motors, pediu à Alemanha 1,5 bilhão de euros (2 bilhões de dólares) em ajuda governamental para financiar o corte de cerca de 4 mil empregos no país, o que ajudaria a montadora a voltar à lucratividade em 2012.

REUTERS

09 de fevereiro de 2010 | 17h53

Nesta terça-feira, o presidente-executivo da Opel, Nick Reilly, submeteu o programa de reestruturação para a auditoria externa Warth & Klein. O plano inclui cerca de 11 bilhões de euros para investimentos até 2014.

"Nós examinaremos com cuidado os documentos", disse o ministro alemão da Economia, Rainer Bruederle, afirmando ainda que a Opel solicitou mais 1,2 bilhão de euros em ajuda da Espanha, Grã-Bretanha, Áustria e Polônia.

(Reportagem de Christiaan Hetzner e Matthias Sobolewski)

Tudo o que sabemos sobre:
AUTOS, OPEL, AJUDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.