Opep fez ‘acordo de cavalheiros’ para acomodar produção na Líbia

Países do golfo haviam prometido cortar a sua produção quando a produção líbia fosse retomada

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

24 de dezembro de 2011 | 11h54

CAIRO - O ministro do petróleo da Líbia, Abdurahman Benyezza, disse haver um "acordo de cavalheiros" na Opep para acomodar a produção de petróleo do país que está sendo recuperada. A declaração foi feita em resposta à pergunta sobre se os países do golfo haviam prometido cortar a produção em 2012, quando a produção líbia fosse totalmente retomada.

A Líbia produz atualmente mais de 1 milhão de barris de petróleo ao dia, a qual deve ser elevada para cerca de 1,6 milhão ao dia em meados de 2012, afirmou o presidente da companhia de petróleo National Oil neste sábado, 24.

Os ministros do petróleo árabes reuniram-se neste sábado no Cairo para o encontro da Organização dos Países Árabes Exportadores de Petróleo. Sete países membros da organização são da Opep: Argélia, Iraque, Kuwait, Líbia, Catar, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos.

A Opep, responsável por cerca de um terço da produção mundial de petróleo, fechou um acordo no começo do mês para manter os níveis de produção do bloco inalterados, mas num sinal de contínua tensão entre seus membros, evitou uma decisão sobre quanto cada país individualmente produziria dentro dessa nova cota.

A decisão ocorreu em meio ao crescente temor de que a crise na zona do euro provocaria recessão na Europa e afetaria a demanda mundial por petróleo.

O grupo elevou o teto de produção do grupo como um todo para 30 milhões de barris ao dia, de 24,845 milhões de barris ao dia anterior, embora o excesso de produção por alguns membros e a inclusão da produção do Iraque no teto indique que o novo nível é o mesmo da já atual efetiva produção.

A Opep desejava monitorar os níveis individuais de produção dos países membros, mas a incapacidade de estabelecer as cotas de produção dos países significa que o novo teto pode estar novamente ameaçado por excesso de produção.  

O ministro do Catar, Mohammed Saleh al-Sada, disse que o país está cumprindo à produção alocada a seu país na Opep, de cerca de 730 mil barris ao dia.

Fontes disseram que a Arábia Saudita, que produziu 10,047 milhões de barris ao dia em novembro - o maior nível em três décadas - deve ter produzido menos em dezembro. Mas o ministro do petróleo, Ali Naimi, disse antes que ainda não sabia em quanto estava a produção do país em dezembro.

As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
opepacordoproduçãopetróleolíbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.