Operações bancárias na internet crescem 25,1% em 2008

Pesquisa da Febraban aponta que correntistas brasileiros utilizam cada vez mais a web para realizar operações

Ana Paula Ribeiro, da Agência Estado,

04 de junho de 2009 | 14h37

Os brasileiros a cada ano utilizam mais a internet e a rede de correspondentes bancários para realizar operações financeiras. A pesquisa Setor Bancário em Números, divulgada nesta quinta-feira, 4, pela Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), mostra que as operações nesses canais de atendimento tiveram altas em 2008 de 25,1% e 14,4%, respectivamente, na comparação com o ano anterior. As transações feitas no internet banking no ano passado somaram 7,933 bilhões e aquelas realizadas em correspondentes chegaram a 2,307 bilhões.

 

Ao todo, o sistema bancário contabilizou 43,915 bilhões de transações em 2008, um crescimento de 7% na comparação com 2007. Foram registrados quedas nas operações em call center, de 3,3%, e nos cheques compensados, com retração de 8,9%. Apesar da queda no uso dos cheques, a Febraban não acredita que esse meio de pagamento será completamente eliminado. "O uso do cheque não acaba porque em muitos lugares ele é utilizado como um instrumento de crédito", disse o diretor de Tecnologia e Automação Bancária da Associação, Gustavo Roxo.

 

A pesquisa revela ainda uma queda no atendimento direto ao consumidor. Em 2000, as operações feitas em caixas de agências equivaliam a 20% do total das operações. No ano passado, caiu para 10%, chegando a 4,499 bilhões. Na avaliação de Roxo, a agência se consolidará cada vez mais como um meio de relacionamento com o cliente, para a venda de produtos e serviços, do que efetivamente para a realização de transações bancárias.

 

Em relação ao autoatendimento, o número de operações cresceu 4.6% no ano passado, para 14,363 bilhões de transações. No entanto, caiu o total de caixas eletrônicos (ATMs) no País que realizam todas as operações. Essas máquinas completas totalizavam ao final de 2008 56.326 unidades, queda de 7,5%. De acordo com Roxo, isso ocorreu porque os bancos, ao realizarem a troca de equipamentos, deram preferência aos caixas eletrônicos adaptados a portadores de deficiência física. Essas máquinas somavam no ano passado 35.059, um crescimento de 107,9%.

 

O total de equipamentos de autoatendimento era de 170.245 no ano passado, um aumento de 2,1%. Esse número inclui os terminais que fazem operações únicas, como os de emissão de cheques. Segundo a Febraban, cerca de 140 mil desses caixas estão instalados em agências. Outros 10 mil em locais públicos e 20 mil em PABs. Esse levantamento não leva em conta a rede 24 Horas. No caso de redes compartilhadas entre dois bancos, o equipamento é contabilizado apenas uma vez.

 

Em 2008, o Brasil contava com 19.142 agências bancárias, número 3,1% superior ao registrado no ano anterior. Já outros pontos de atendimento considerados tradicionais, como os postos de atendimento bancário (PABs) e de arrecadação de pagamentos (PAPs), totalizavam 11.661, avanço de 10,5%. Os pontos eletrônicos chegaram a 38.710 e os correspondentes bancários a 108.074, avanços de, respectivamente, 11,7% e 12,8%. Segundo o levantamento, o total de pontos de atendimento chegou a 177.587, crescimento de 11,2%. Já as contas correntes somavam 125,7 milhões no ano passado, um avanço de 12,1%.

 

A Febraban informou ainda que em outubro terá início o processo de substituição do papel por meio eletrônico na cobrança de boletos bancários, o chamado Débito Direto Autorizado (DDA). Nesse sistema o cliente pode optar por concentrar o recebimento de cobranças em seu nome em um único banco, por meio eletrônico, sem o recebimento da fatura de papel na residência. A adesão e a operação desse sistema serão anunciadas neste mês durante a realização do XIX Ciab Febraban, que irá ocorrer entre os dias 17 e 19, em São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
bancosconsumidor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.