Operações de crédito crescem 1,8% em setembro, diz BC

Em 12 meses, a carteira de crédito acumula expansão de 19,6%; financiamentos para habitação estão entre as operações que mais cresceram

Fernando Nakagawa, da Agência Estado,

26 de outubro de 2010 | 10h50

As operações de crédito do sistema financeiro tiveram em setembro expansão de 1,8%, na comparação com agosto, informou o Banco Central. Com esta elevação, o total de empréstimos concedidos pelos bancos somou R$ 1,611 trilhão ao fim do mês passado. Em 12 meses, a carteira de crédito acumula expansão de 19,6%.

Entre as operações que mais cresceram no mês passado, os financiamentos para habitação tiveram aumento de 3,8% para R$ 125,210 bilhões. Em 12 meses, essa carteira tem crescimento de 51,4%. O crédito direcionado ao comércio teve evolução de 2,1% e para a indústria, de 2%. Ambos segmentos apresentaram avanço acima da média do mercado de 1,8%. Já as operações para pessoa física cresceram 1,3% e atingiram R$ 518,300 bilhões.

O Banco Central informou que a participação do crédito no Produto Interno Bruto atingiu 46,7% no mês passado, ante 46,2% registrado em agosto de 2010 e 43,9% observado em setembro de 2009.

Juro

A taxa média de juros praticada no crédito livre caiu pelo segundo mês seguido em setembro. Dados do BC mostram que o juro médio dessas operações caiu de 35,2% em agosto para  35,1% no mês passado. Essa redução aconteceu exclusivamente no financiamento a pessoas físicas, cuja taxa média recuou de 39,9% para 39,4%. Em trajetória contrária, o juro para as empresas subiu de 28,9% para 29%.

A alteração no patamar de juros é explicada pela mudança no spread bancário, que é a margem cobrada pelos bancos nos empréstimos. Na média, o spread geral caiu de 24,3 pontos porcentuais para 24,1 pontos porcentuais entre agosto e setembro. Essa redução ocorreu apenas nas operações para pessoas físicas, cuja margem cedeu de 28,6pp para 28pp. Já o spread nos empréstimos para pessoas jurídicas subiu de 18,3 pp para 18,4 pp.

Ja no crédito livre, a taxa média de inadimplência caiu pelo quarto mês consecutivo em setembro. Segundo o BC, 4,7% dos empréstimos apresentavam atraso superior a 90 dias, no mês passado. O número é menor que o visto em agosto, quando a inadimplência era de 4,8%. Há um ano, em setembro de 2009, a inadimplência média dos empréstimos era de 5,8%.

Seguindo o BC, a melhora do nível de inadimplência no mês passado foi liderada pelas operações para pessoas físicas, cuja taxa caiu de 6,2% para 6%. Já nas operações para empresas, após dois meses de estabilidade, a inadimplência retomou a trajetória de queda e foi de 3,6% para 3,5%.

Base monetária

A base monetária (papel moeda emitido mais reservas bancárias) teve expansão de 2,6% em setembro, na comparação com agosto, na média dos saldos diários, segundo o Banco Central. Com a variação, o montante aumentou de R$ 168,625 bilhões para R$ 172,969 bilhões no mês passado. Em 12 meses, por esse conceito, a base monetária apresenta expansão de 19,2%.

No conceito de saldos no fim do período (ponta), a base monetária cresceu 1,6% em setembro e passou de R$ 173,243 bilhões para R$ 176,002 bilhões. No acumulado de 12 meses até setembro, a base monetária teve expansão de 20,8% por esse conceito. 

Tudo o que sabemos sobre:
créditojuroBanco Centralempréstimo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.