Orçamento de 2013 da Grécia prevê recessão mais profunda

Previsão na proposta orçamentária é de que a economia grega sofrerá uma contração de 4,5% no próximo ano, em versão anterior a projeção era de recuo de 3,8%

AE, Agencia Estado

31 Outubro 2012 | 10h21

ATENAS - O orçamento revisado da Grécia para 2013 traz previsões econômicas mais sombrias para o próximo ano em meio ao impacto que bilhões de euros em medidas de austeridade está tendo sobre o desempenho do país.

A proposta orçamentária, que foi submetida hoje ao Parlamento e deverá ser votada na semana que vem, prevê que a economia grega sofrerá uma contração de 4,5% no próximo ano. Numa versão anterior do projeto, a projeção era de um recuo de 3,8%.

A piora da recessão é consequência das medidas adicionais de austeridade impostas à Grécia pela troica de credores internacionais - Comissão Europeia, Banco Central Europeu (BCE) e Fundo Monetário Internacional (FMI) - como condição para liberar mais auxílio financeiro.

Segundo a última versão da proposta, a Grécia fará agora cortes orçamentários de cerca de 9 bilhões de euros (US$ 11,62 bilhões) no ano que vem, ante os 7,8 bilhões de euros previstos no esboço anterior.

A Grécia está hoje em seu quinto ano de recessão, que levou o desemprego e as falências de empresas a níveis recordes e foi se agravando com a implementação de medidas de austeridade ao longo dos últimos três anos, em troca de dois pacotes de ajuda dos parceiros da zona do euro e do FMI.

A recessão atingiu a arrecadação de impostos e forçou o governo grego a aumentar os gastos para encobrir os buracos de seu deficitário sistema de previdência, que sofre com a queda nas contribuições de trabalhadores devido a reduções salariais e alta do desemprego.

Como consequência, a expectativa é que o déficit fiscal da Grécia fique em 5,2% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2013, em relação a uma meta anterior de 4,2%. Já o superávit primário, que desconsidera os pagamentos de juros sobre a dívida, está projetado agora em 0,4% do PIB, ante uma meta anterior de 1,1%. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Gréciarecessãoorçamentocrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.