Oscilação do petróleo pesa sobre ações da Petrobras

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, avaliou hoje que o volume negociado de petróleo no mercado internacional atualmente é "muito financeiro e pouco real", criando a volatilidade que tem afetado os preços das ações da companhia. "Houve redução dos investimentos no mercado futuro de petróleo durante crise, que voltaram desde o início de 2010 e já estão quase no auge registrado em 2008", acrescentou.

EDUARDO RODRIGUES, Agencia Estado

29 de julho de 2011 | 18h08

Além disso, alegou o executivo, os preços também são influenciados pelo fato de a Petrobras ter injetado um volume pesado de ações no mercado com a capitalização realizada no ano passado e esses papéis terem um volume muito grande de negócios no Brasil e nos Estados Unidos. "Leva um tempo para o mercado processar isso nos portfólios dos diversos investidores", completou.

Gabrielli também citou as incertezas em relação às economias japonesa, grega e americana, que adicionam volatilidade aos preços internacionais do petróleo. "Para completar, a Petrobras divulga um gigantesco plano de investimento, o que cria expectativas e deixa os investidores com receios", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleoaçõesPetrobrasGabrielli

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.