Otimismo na indústria sobe em novembro, mostra CNI

A melhora, no entanto, ainda não aponta a reversão da trajetória de queda do indicador, existente desde o início de 2010

Luci Ribeiro, da Agência Estado, Agencia Estado

23 de novembro de 2011 | 12h03

O otimismo da indústria diante do desempenho da economia e as expectativas para os próximos seis meses aumentou em novembro, segundo o Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei), divulgado hoje pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Em uma escala em que valores acima de 50 pontos indicam otimismo, a confiança do empresariado chegou a 55,3 pontos, uma alta de 0,7 ponto em relação a outubro, quando o Icei foi registrado em 54,6 pontos.

A CNI pondera que a melhora, no entanto, ainda não aponta a reversão da trajetória de queda do indicador, existente desde o início de 2010. No mesmo mês do ano passado, os empresários estavam bem mais otimistas, com um Icei registrado em 62 pontos.

Embora mais confiantes no futuro, tanto com a economia quanto com seus negócios, os empresários estão pessimistas com as condições atuais de suas empresas e da economia. Nesse quesito sobre as condições atuais, o Icei chegou a 47,5 pontos em novembro, apresentando pequena alta em relação a outubro (46,5 pontos), mas ainda abaixo do valor registrado em novembro do ano passado (55,9 pontos). "Não houve sinal de melhora consistente tanto no cenário nacional quanto internacional, e a percepção dos empresários sobre as condições atuais da economia e da empresa se mantém pessimista", avalia o economista da CNI Marcelo de Ávila.

No quesito sobre as expectativas em relação à economia e ao desempenho das empresas para os próximos seis meses, o Icei de novembro ficou em 59,1 pontos, revelando otimismo. Em outubro, esse indicador foi de 58,6 pontos e em novembro do ano passado, 65,1 pontos.

Nos três segmentos da indústria pesquisados pela CNI - extração, transformação e construção -, o otimismo dos empresários em novembro aumentou sobre o mês anterior. Dos 26 setores da indústria de transformação analisados, 14 tiveram alta do Icei no período. Os segmentos que mais se destacaram foram o de máquinas e materiais elétricos (53,9 pontos), refino de petróleo (59,6 pontos), e equipamentos hospitalares e de precisão (58,0 pontos).

O levantamento foi feito entre 1º e 18 de novembro, com 2.276 empresas, das quais 1.186 pequenas, 770 médias e 320 de grande porte.

Tudo o que sabemos sobre:
indústriaotimismonovembro 2011CNI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.