Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Otimismo sobre dívida dos EUA levanta índices acionários em Nova York

As principais bolsas do mercado acionário norte-americano encerraram o pregão desta quinta-feira em alta, com sinais de progresso nas negociações sobre a dívida dos Estados Unidos e ações concretas por parte da Europa sobre a crise da Grécia.

CHUCK MIKOLAJCZAK, REUTERS

21 de julho de 2011 | 18h08

O Dow Jones avançou 1,21 por cento, a 12.724 pontos. O Standard & Poor's 500 subiu 1,35 por cento, a 1.343 pontos. O Nasdaq teve valorização de 0,72 por cento, a 2.834 pontos.

Resultados inesperadamente robustos do Morgan Stanley, cujo papel subiu 11 por cento, ocasionaram um rali que proporcionou alívio às ações do setor financeiro. Mais cedo nesta semana, os fracos lucros do Goldman Sachs chocaram o mercado.

No entanto, a maior notícia foi de um possível acordo sobre a dívida dos EUA que pode salvar o país de um default sem precedentes.

"Começamos sem uma direção no mercado, até que recebemos a notícia de que o presidente (Barack Obama) e o presidente da Câmara dos Deputados estavam perto de chegar a um acordo, e, neste momento, o mercado acionário subiu como um foguete", disse Bucky Hellwig, vice-presidente sênior da BB&T Wealth Management em Birmingham, Alabama.

O índice KBW Capital Markets subiu 2,9 por cento.

Na Europa, após uma reunião, líderes da zona do euro concordaram que o setor privado pode liberar um total de 37 bilhões de euros para um segundo pacote de resgate à Grécia, com o financiamento total de cerca de 109 bilhões de euros.

Ações atingiram suas máximas após a Casa Branca afirmar que via condições adequadas para um acordo "equilibrado" sobre o déficit, mas negou notícias de que Obama e o representante da Câmara dos Deputados, John Boehner, estavam próximos de um acordo.

Tudo o que sabemos sobre:
WALLSTFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.