Ouro atinge valor recorde acima de US$1.040 por onça

O preço do ouro subiu nesta terça-feira para um recorde acima de 1.040 dólares por onça, com investidores acumulando o metal para preservar o valor de seus ativos denominados em dólar, em meio ao enfraquecimento da moeda norte-americana e a temores de inflação.

REUTERS

06 de outubro de 2009 | 17h48

Tanto nos preços futuros quanto no disponível (spot), o ouro atingiu máxima histórica, beneficiado por uma conjunção de fatores, incluindo compras técnicas, comentários de que alguns produtores de petróleo poderiam trocar para outras moedas a denominação do valor de sua produção, além de preocupações sobre um potencial impacto da inflação diante dos estímulos fiscais sem precedentes no mundo.

O enfraquecimento do dólar leva investidores a comprarem o metal como um hedge para portfólios denominados em dólares.

"Em um ambiente onde as taxas de juros são virtualmente zero, o custo adicional de mudar para o ouro é nenhum. Isso dá razão para investidores considerarem o ouro mais desejável", disse Jack Ablin, diretor de investimentos do banco Harris, em Chicago.

O ouro no spot atingiu uma marca histórica de 1.043,45 dólares por onça, e fechou em alta de 1,9 por cento, a 1.036,10 dólares.

O metal superou o recorde anterior, de março de 2008, quando bateu 1.030,80 dólares.

Nos Estados Unidos, o contrato futuro com vencimento em dezembro, o mais ativo, atingiu 1.045 dólares por onça, fechando em 1.039,70 dólares por onça, alta de 2,2 por cento.

QUEDA DO DÓLAR

O dólar caiu de forma acentuada depois de o jornal britânico The Independent noticiar que países do Golfo estão em discussões secretas para não mais negociar petróleo na moeda norte-americana.

Os principais países produtores negaram a reportagem.

Um aumento da taxa de juros na Austrália também reforçou as expectativas de que o Federal Reserve vai ficar atrás de outros bancos centrais em flexibilizar sua política monetária.

Tudo o que sabemos sobre:
COMMODSOURO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.