Ouro renova recorde em meio a incertezas sobre a dívida dos EUA

Metal precioso amplia ganhos, enquanto prazo final para elevação do teto da dívida americana se aproxima sem uma solução à vista

Danielle Chaves, da Agência Estado,

27 de julho de 2011 | 11h52

NOVA YORK - O ouro ampliou os ganhos na manhã desta quarta-feira, 27, enquanto o prazo final para elevação do teto da dívida dos EUA, dia 2 de agosto, se aproxima sem uma solução à vista. Os líderes da Câmara e do Partido Republicano têm seis dias para chegar a um acordo sobre o assunto, caso contrário poderá haver um default da dívida da maior economia do mundo.

O ouro, que tende a manter o seu valor mais do que outros ativos em momentos de incerteza econômica, renovou o recorde à medida que os investidores tentaram proteger suas carteiras.

Às 11h28 (de Brasília), o contrato mais ativo, para agosto, subia 0,60% na Comex, para US$ 1.626,60 por onça-troy, depois de atingir a máxima intraday de US$ 1.628,80 por onça-troy. No mercado à vista, o ouro avançava 0,41%, para US$ 1.626,16 por onça-troy, após chegar a US$ 1.628,86 por onça-troy.

A alta dos preços do ouro também reflete o otimismo dos investidores com uma solução para a questão da dívida dos EUA e com a expectativa de que o prazo de 2 de agosto não vai gerar uma turbulência imediata nos mercados de dívida globais. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ouroincertezadívida EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.