País tem que assegurar acesso da população a bens de consumo, diz Dilma

A presidente também criticou o boato que dizia que governo federal não iria mais ia pagar o bolsa família

Carla Araújo e Renan Carreira, da Agência Estado,

20 de maio de 2013 | 14h46

SÃO PAULO - A presidente Dilma Rousseff disse nesta segunda-feira (20) que o Brasil "tem que assegurar acesso da população a bens de consumo". A declaração finalizou o discurso dela sobre direitos das famílias. "A mãe quer que seu filho estude em creche de boa qualidade, tenha acesso à escola em tempo integral, estude na melhor escola técnica da região. A família tem de ter o direito de querer comprar um carro... O Brasil tem que ser um país que assegure acesso da população a bens de consumo."

A presidente deu as declarações durante cerimônia de entrega do navio Zumbi dos Palmares à Petrobras Transporte S.A. (Transpetro), em Pernambuco. O governador do Estado, Eduardo Campos (PSB), também participou do evento.

Bolsa Família

A presidente aproveitou a cerimônia para criticar a criação de um boato que dizia que governo federal não iria mais ia pagar o bolsa família. "É algo absurdamente desumano. O autor desse boato é criminoso, por isso colocamos a Polícia Federal (PF) para descobrir a origem do boato", afirmou.

De acordo com Dilma, o recurso do Bolsa Família, de R$ 70 por pessoa, será garantido "enquanto for necessário e tiver algum brasileiro vivendo abaixo da linha da pobreza".

Segundo a presidente, seu governo tem o compromisso com programas como o Bolsa Família, o Brasil sem Miséria e o conteúdo local."O compromisso com o Bolsa Família no meu governo é forte, profundo e definitivo, nós não abriremos mão do Bolsa Família, como não abriremos mão do nosso compromisso com conteúdo nacional para indústria naval", afirmou.

Dilma ressaltou que hoje o Brasil tem uma carteira de encomendas dos estaleiros que já chega a quase 400 obras. "Já temos a terceira maior carteira de encomendas de petroleiros do mundo", afirmou, destacando que existe a vontade política do governo para transformar o Brasil em um "grande produtor de petróleo e gás, navios, plataformas e equipamentos".

A presidente também falou sobre a situação do emprego no Brasil e disse que o País saiu da situação da extrema pobreza através do emprego. "Temos muito orgulho de, nos últimos dez anos, termos criado quase 20 milhões de emprego com carteira assinada. Só nos últimos dois anos e quatro meses, nós criamos 4 milhões de novos empregos com carteira. Esse é um caminho fundamental para garantir um Brasil mais desenvolvido."

Para Dilma, além do emprego, um outro caminho para retirar a população da pobreza é investir em 'educação, educação e mais educação'. "(o caminho é) investir em formação profissional, creche, direito de fazer um curso profissionalizante, dar acesso a universidade, acesso a estudar no exterior", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.