País vende a 1ª carga de petróleo do pré-sal

Petrobrás fecha contrato para exportar para o Chile em maio 1 milhão de barris retirados do campo de Lula; valor do negócio não foi revelado

Kelly Lima, de O Estado de S.Paulo,

19 de abril de 2011 | 11h24

A Petrobrás vendeu nesta terça-feira, 19, a primeira carga de petróleo do pré-sal. O volume de 1 milhão de barris, extraído do Campo de Lula, no pré-sal da Bacia de Santos, foi vendido para a estatal chilena Empresa Nacional de Petróleo (Enap). O embarque deve ocorrer em maio e a carga será entregue em Quintero e San Vicente, no Chile.

Apesar do valor da negociação não ter sido revelado pela Petrobrás, o diretor de Abastecimento e Refino da companhia, Paulo Roberto Costa, disse que o preço obtido foi o principal fator na decisão de venda, além do fato de o parque de refino nacional ter atingido o limite de capacidade.

"Estamos refinando tudo o que podemos, estamos no limite", afirmou Costa.

Sem querer dar detalhes sobre o valor da negociação, o diretor apenas comentou que o petróleo leve do Campo de Lula obteve um "excelente preço". Costa também descartou a possibilidade de utilizar esse petróleo exportado para substituir o que a companhia importa hoje.

Segundo ele, são tipos distintos e o importado é usado apenas para a produção de lubrificantes.

Exportações. Nos dois primeiros meses de 2011, de acordo com dados disponíveis na Agência Nacional do Petróleo (ANP), o Brasil importou um total de 18 milhões de barris de óleo e exportou 34 milhões. Em relação ao ano passado, o País já aumentou em 5% o volume exportado.

A principal característica da balança comercial do petróleo no Brasil é que a maior parte do óleo nacional é pesado, o que exige custos mais elevados para refino, que derrubam seu preço original, enquanto o óleo importado, mais leve, tem preço mais elevado. Isso começa a mudar com o óleo leve do Campo de Lula (ex-Tupi).

Preços. Em média, o preço do óleo nacional costuma ficar US$ 10 abaixo do valor do petróleo Brent, que é importado pela Petrobrás. Já o óleo do pré-sal possui uma qualidade mais elevada, com 28 graus API (escala usada para determinar a qualidade: quanto mais elevado o grau, melhor).

Na Bacia de Campos, a média é de 18 graus, mas na Arábia chega a ultrapassar 50 graus.

Segundo Costa, não estão descartadas novas exportações se surgirem "boas oportunidades". "Temos um programa rodando em busca de oportunidades de compra e venda de carga no mundo todo, a todo o instante. O programa nos informa quais os preços oferecidos para cada tipo de petróleo", comentou.

O Campo de Lula está produzindo em projeto-piloto desde dezembro.

A capacidade do navio-plataforma é de 100 mil barris por dia, mas em 2011 a perspectiva é de chegar a atingir pelo menos 75 mil barris por dia.

Na área, a Petrobrás é sócia da BG e da Galp. Por enquanto, a BG e a Galp estão negociando sua parte de óleo diretamente com a estatal.

Texto atualizado às 20h10

Tudo o que sabemos sobre:
Petrobráspetróleopré-sal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.