Países da Ásia pedem nome asiático ou emergente à liderança do FMI

Ministro de Finanças da Tailândia afirmou que a renúncia é uma oportunidade para romper uma tradição segundo a qual a Europa é normalmente designada para liderar o FMI

Danielle Chaves, da Agência Estado,

19 de maio de 2011 | 08h24

Enquanto a ministra de Finanças da França, Christine Lagarde, aparece como a provável principal candidata ao cargo de líder do Fundo Monetário Internacional (FMI), após a renúncia de Dominique Strauss-Kahn, várias autoridades da Ásia aproveitam a oportunidade para pressionar por um candidato asiático ou de uma economia emergente ao posto. Strauss-Kahn renunciou na madrugada de hoje, depois de ser acusado em Nova York por agressão sexual.

O ministro de Finanças da Tailândia, Korn Chatikavanij, afirmou que a renúncia de Strauss-Kahn é uma oportunidade para romper uma tradição segundo a qual a Europa é normalmente designada para liderar o FMI. "Não existe lógica na tradição de o FMI ser dirigido por um europeu", afirmou Korn.

Segundo o ministro tailandês, se a organização quiser continuar realmente global, o novo líder deve ser selecionado a partir das possibilidades mais amplas possíveis. "O mundo mudou muito nos últimos três ou quatro anos", argumentou Korn. "A emergência do G-20 e o aumento da importância do grupo nas relações globais mostram que talvez seja o momento de essa tradição ser revisada", disse.

O secretário de Finanças das Filipinas, Cesar Pirisima, defendeu um asiático para o cargo. "Dada a necessidade urgente de uma liderança estável no FMI, somada a uma mudança no cenário econômico global - no qual a Ásia cada vez mais tem um papel maior como motor do crescimento - não há momento melhor do que esse para um líder asiático assumir o controle de uma organização como essa", afirmou em um comunicado.

A Indonésia também apoia candidatos asiáticos, segundo o ministro de Finanças, Agus Martowardojo. "Seria bom se a oportunidade também fosse aberta para candidatos asiáticos", declarou.

Jiang Yu, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China, afirmou que o país acredita que as economias emergentes devem ser incluídas na liderança do FMI. Com a saída de Strauss-Kahn, a mais alta autoridade chinesa no fundo, o consultor especial Zhu Min, deverá se tornar um vice-diretor-gerente.

O ministro de Finanças da Índia, Pranab Mukherjee, disse apenas que o país está "observando a situação". O Japão, por sua vez, quer que o novo líder do FMI seja escolhido de uma forma "aberta, transparente e baseada em habilidades", segundo o ministro de Finanças, Yoshihiko Noda. A autoridade japonesa não quis dar o nome de um candidato nem informou se o Japão vai concorrer à posição.

Não está claro se os países asiáticos ou as economias emergentes podem se unir em torno de um único candidato. Uma fonte norte-americana afirmou que o único modo de bloquear a francesa Lagarde seria se os países do grupo Brics - Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul - rapidamente chegassem a um acordo sobre um candidato e forçassem os EUA e a Europa a responderem.

Ontem o ministro da Fazenda, Guido Mantega, enviou uma carta aos ministros do G-20 na qual afirmou que "o FMI não pode ficar para trás nesse processo de mudança institucional". "Já se passou o tempo em que poderia ser remotamente apropriado reservar esse importante cargo para um cidadão europeu", escreveu.

China

A alta liderança do Fundo Monetário Internacional (FMI) deveria representar melhor os mercados emergentes, afirmou Zhou Xiaochuan, presidente do banco do Povo da China (PBOC, o banco central do país). O comentário foi feito após Dominique Strauss-Kahn renunciar ao cargo de diretor-gerente do fundo.

Em um comunicado publicado no site do PBOC, Zhou disse que os problemas de dívida soberana europeus ainda estão em um momento "turbulento e sensível", o que exige suporte de um FMI "poderoso". Os países do G-20 "já decidiram que os líderes das instituições financeiras internacionais devem ser escolhidos em um processo aberto, justo e meritório", segundo Zhou.

"Ao mesmo tempo, a formação da alta administração deve refletir melhor as mudanças na estrutura da economia global e representar melhor os mercados emergentes", acrescentou. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
FrançaFMIÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • Será que o Pix é seguro? Veja dicas de especialistas
  • 13º salário: quem tem direito, datas e como a pandemia pode afetar o cálculo
  • Renda básica: o que é, quais os objetivos e efeitos e onde é aplicada

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.