Países mais ricos sofrem maior queda desde 1960, diz OCDE

Produto Interno Bruto médio de seis países do G7 cai 2,1% no primeiro trimestre de 2009, segundo dados

BBC Brasil, BBC

25 de maio de 2009 | 09h09

O Produto Interno Bruto (PIB) dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) caiu 2,1% no primeiro trimestre de 2009 em relação ao trimestre imediatamente anterior, segundo estudos preliminares divulgados pela entidade nesta segunda-feira, 25. Trata-se da maior queda desde que a OCDE começou a registrar os dados do PIB, em 1960, e também da terceira queda consecutiva desde o terceiro trimestre de 2008.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

Em relação ao mesmo trimestre no ano passado, o PIB dos mesmos países sofreu uma queda de 4,2%. O país mais afetado nos três primeiros meses de 2009 foi o Japão, com uma queda de 4%, seguido pela Alemanha, com -3,8%. Além deles, sofreram queda Itália (-2,4%), Grã-Bretanha (-1,9%), Estados Unidos (-1,6%) e França (-1,2%).

Japão e Itália

Juntamente com o Canadá, cujos dados não foram divulgados por serem computados por outra metodologia, estes países fazem parte do chamado G7, das maiores economias do mundo.

Também são membros da OCDE outros países da União Europeia, Coreia do Sul, México, Turquia, Islândia, Suíça, Austrália e Nova Zelândia, mas não foram divulgados dados sobre eles.

Na semana passada, o Japão anunciou ter sofrido, no primeiro trimestre deste ano, a maior contração desde que os registros começaram, em 1955, por causa da queda acentuada das exportações do país.

A Itália também anunciou que seu PIB caiu 5,9% no primeiro trimestre do ano, em comparação ao mesmo período em 2008, a pior queda desde 1980. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
crisepibocdecrescimentorecorde

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.