Panasonic deixa de produzir TV na China, diz fonte

A Panasonic parou de produzir TVs na China e planeja encerrar sua joint venture em Shandong, disse uma fonte da empresa neste sábado, tornando-se a mais recente de uma série de empresas japonesas de eletrônicos saindo mercados de TV no exterior em meio a forte pressão sobre os preços.

REUTERS

31 de janeiro de 2015 | 18h32

A fonte, que não quis ser identificada porque a decisão ainda não havia sido anunciado para os cerca de 300 trabalhadores da fábrica de Shandong, disse que a Panasonic encerrou a produção na unidade na sexta-feira.

O Nikkei informou mais cedo que a Panasonic iria abandonar a produção de TV na China e no México. A reportagem dizia que a empresa deve vender a fábrica mexicana, que produziu cerca de 500 mil unidades por ano, sendo que a maioria da produção era enviada para os Estados Unidos.

A Reuters não pôde confirmar os planos da empresa para sair do México. Atualmente, a Panasonic possui duas fábricas no país, parte das nove fábricas de TV da empresa, excluindo Shandong.

A guerra de preços acirrada tornou o mercado global de TV não rentável para muitos fabricantes de eletrônicos japoneses. A Panasonic disse no final de outubro que estava transferindo sua unidade não rentável de televisão Sanyo nos EUA para a Funai Electric, em troca de royalties.

A Toshiba disse na quinta-feira que iria parar de fabricar e vender TVs na América do Norte e estava considerando saídas similares de outros países.

A Sharp licenciou sua marca TV na Europa para a Universal Media Corp Slovakia como parte de um esforço para cortar custos e se afastar de operações deficitárias. A Sony foi desmembrou seu negócio de TV em uma unidade separada, embora o presidente executivo Kazuo Hirai tenha dito que a empresa não tem planos de vender ou fechar a unidade.

(Por Reiji Murai)

Tudo o que sabemos sobre:
EMPRESASPANASONICHINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.