Papaiz se moderniza para evitar 'invasão' de chineses

Produzir cadeados deixou de ser um ?negócio banal?, na opinião de Sandra Papaiz, diretora presidente do grupo familiar de mesmo nome, um dos principais fabricantes de cadeados e fechaduras do País. Sob a ameaça de uma invasão de similares chineses de baixo custo e com a intenção de ganhar mercado da concorrência nacional, a Papaiz deu um ?banho de loja? na linha de produtos, buscando novas ocasiões para o uso do velho cadeado no dia a dia.

LÍLIAN CUNHA, Agencia Estado

26 de dezembro de 2012 | 08h24

Uma dessas inovações é o cadeado Active - que vem com uma pulseira para o cliente guardar a chave enquanto está na academia. Em fevereiro, o produto receberá em Munique, na Alemanha, a medalha de ouro de melhor design ?iF product design award 2013?. ?Criamos a peça a partir de uma pesquisa feita com 300 consumidores. Eles nos mandavam fotos de como usavam o cadeado cadeados?, explica Sandra.

A indústria brasileira de cadeados, representada principalmente pela Papaiz, Pado e Stam, tem proteção do governo federal contra a importação de cadeados chineses, por questões de ?dumping?. ?Não é uma questão de produtividade nacional. A China vende cadeados de qualidade muito inferior a um preço pelo qual a indústria nacional não conseguiria pagar nem a matéria prima?, explica a executiva, que é filha do fundador da Papaiz.

A salvaguarda dada ao setor, segundo ela, protegerá contra a entrada desses produtos até o fim de 2013. O prazo pode ser prorrogado, mas a empresa não quer contar só com isso. ?O problema é que não podemos ficar dependendo só dessa ação antidumping. Temos de nos diferenciar por uma questão estratégica e até mesmo para o caso de um dia essa proteção cair?, diz.

Por isso, há dois anos, a Papaiz decidiu começar a investir 5% de seu faturamento em inovação. Contratou uma empresa de pesquisas e montou um grupo de clientes por 24 meses. ?Queríamos sair dessa coisa tão commodity que é o negócio de cadeados?, diz. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
Papaizmodernização

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.