Para Bernanke, próxima cúpula da UE é chave para região

Segundo senadora da Califórnia, o presidente do BC dos EUA acredita que a crise na zona do euro pode ser resolvida

Renan Carreira, da Agência Estado,

20 de outubro de 2011 | 18h14

O presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, disse nesta quinta-feira, 20, a congressistas que é possível resolver a crise da zona do euro se as autoridades da Europa estiverem dispostas a tomar as medidas necessárias para suavizá-la, de acordo com Barbara Boxer, senadora democrata pela Califórnia. Bernanke se reuniu hoje senadores democratas, em uma sessão a portas fechadas, para fazer um relato sobre a crise da dívida soberana da Europa.

Bernanke foi convidado pelos congressistas para ir ao Capitólio dias antes de um encontro de cúpula da União Europeia (UE) que vai discutir meios de alavancar a Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês). De acordo com relatos de diversos senadores, o presidente do Fed afirmou que este fim de semana demonstraria se os líderes da UE estão realmente engajados em tomar conta da crise da dívida na região.

Mais cedo nesta semana, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, procurou minimizar as expectativas de que a sessão emergencial deste fim de semana poderia resultar em uma solução de longo prazo para a crise da dívida que afeta a zona do euro.

Barbara disse que Bernanke "considera que a crise europeia pode ser resolvida". "Tendo dito isso, ele foi bastante honesto sobre o fato de que há muita política envolvida." O presidente do Fed disse a congressistas que, em última análise, dado o que está em jogo, as autoridades mais centradas vão prevalecer na Europa.

Bernanke também afirmou que o resto do mundo está unido para dizer à Europa que as autoridades da região têm de tomar as medidas necessárias para controlar a crise, relatou Richard Durbin, senador democrata por Illinois. Os parlamentares disseram que Bernanke não pediu nenhuma ação específica do Congresso em resposta à situação na Europa.

Durbin disse que Bernanke também abordou durante a reunião a crise de empregos nos EUA. O presidente do Fed afirmou que o banco central tem feito tudo o pode para estimular a criação de empregos e que qualquer ação adicional teria de ser tomada pelo Congresso. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bernankecrisezona do euro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.