Embraer
Embraer

Para inovar, grupos brasileiros buscam o Vale do Silício

Sem alternativas de inovação no País, empresas com presença global abrem centros de pesquisa e vão atrás de fornecedores no exterior

Cristiane Barbieri, Impresso

08 Julho 2017 | 18h55

Os pequenos veículos elétricos com decolagem e aterrissagem vertical para serem usados nas cidades, que a Embraer está desenvolvendo em parceria com o Uber, ainda não saíram dos computadores dos engenheiros. Mas representam exatamente o que a fabricante de aviões procurava em seu recém-aberto Centro de Inovação de Negócios nos Estados Unidos: investir em inovação disruptiva, aquela tão revolucionária que mexe com todo o mercado.

Foi a mesma estrada escolhida pela Totvs e pela CPFL, quando perceberam que precisavam de novidades de verdade. Seguiram rumo ao Vale do Silício. Foi do braço californiano da empresa brasileira de tecnologia, hoje com 20 funcionários, por exemplo, que saiu a Carol, uma plataforma de inteligência artificial. Lançada este mês, ela dá dicas de gestão, responde a perguntas e fornece insights de negócios. Já a CPFL, achou na meca dos inventores sua solução em smart grid, os sistemas de distribuição e transmissão de energia elétrica inteligentes.

“Como uma empresa global, num ambiente altamente competitivo, temos nossa base no Brasil e centros de pesquisa e desenvolvimento também na Ásia, na Europa e nos Estados Unidos”, diz Mauro Kern, vice-presidente executivo de operações da Embraer. “Temos de estar presentes nos lugares onde esse tipo de inovação acontece.”

A busca por soluções no exterior não é fortuita. Apesar de exceções em poucas áreas de excelência, não há hoje no País soluções que atendam às demandas por tecnologia de empresas globais, dizem vários especialistas. “Ficamos à margem de processos tecnológicos de novos paradigmas de produção e integração entre fornecedores e clientes, que ganharam velocidade depois da crise de 2008 no mundo”, diz David Kupfer, coordenador do Grupo de Indústria e Competitividade da UFRJ. “Isso não só na indústria, mas também nos serviços, que são ainda mais atrasados no Brasil.”

Década encolhida. As dificuldades trazidas por esse cenário são sentida na prática pelas empresas, inclusive as com tradição em pesquisa. “No Brasil, pegamos pessoas com boa formação e investimos muito em sua qualificação”, diz Weber Casanova, vice-presidente de tecnologia da Totvs. “No Vale do Silício, há muitos especialistas já prontos, experientes, com uma enormidade de novas ideias e recursos, num ambiente trabalhista muito mais fácil do que aqui.”

Por outro lado, novidades como internet das coisas, inteligência artificial, analytics, big data, manufatura aditiva, nanotecnologia, entre outras, estão fora do radar da maioria das empresas. “Algumas estão mais antenadas e realizando esforços claros no sentido dessa modernização, mas não é um movimento geral”, afirma Kupfer. “Ao contrário, já que há dez anos o investimento tem se contraído.”

++ Para analistas, políticas podem trazer mudanças

Uma realidade nova, com cara de passado. “O Brasil está perdendo o próximo salto tecnológico, é sempre bom lembrar, porque já estávamos muito para trás”, diz Glauco Arbix, professor da USP e pesquisador do Observatório de Inovação e Competitividade do Instituto de Estudos Avançados. “Produzir conhecimento de fronteira não é uma atividade de curto prazo, nem nas empresas e muito menos na universidade: a estabilidade de políticas públicas e de funding é essencial”.

Só que, afirma Arbix, com o encolhimento da economia “e a crise política que parece não ter fim”, tudo tende a piorar. Com desafios mais primários com os quais se preocupar, inovação torna-se um luxo para a maior parte das empresas. Uma pesquisa da consultoria BCG constatou que o porcentual de companhias brasileiras que pretendiam investir mais do que no ano anterior em inovação passou de 74%, em 2015, para 56%, neste ano. “Por causa da crise, os empresários entram no modo sobrevivência”, diz Heitor Carrera, sócio da BCG.

++ Rede de ensino pode sofrer desmonte

Há vários riscos nesse cenário e algumas oportunidades (ler mais abaixo). Do lado das ameaças, os especialistas esperam uma redução dos investimentos em pesquisa e desenvolvimento, hoje em 1,26% no que se refere ao PIB e já considerado baixo em relação aos países em desenvolvimento.

Outro problema é a possibilidade de o Brasil se tornar, mais uma vez, apenas consumidor dessas tecnologias. “Vamos nos atrasar novamente, até que o hiato de produtividade seja tão grande que leve a uma onda rápida de aquisição de pacotes de máquinas e insumos”, diz Kupfer. “Depois que a tecnologia ganha volume, ela é incorporada e vamos comprá-la embutida nas máquinas, sem desenvolver a capacidade de inovação.”

OUTROS PAÍSES

Alemanha

Para estimular o uso de tecnologia por pequenas e médias indústrias, especialmente importantes na economia alemã, foi criado o programa indústria 4.0. Envolve difusão de conhecimento e formação de mão de obra, com investimento de € 200 milhões. 

Estados Unidos

Com US$ 2,2 bilhões, o projeto de manufatura avançada, o Manufacturing USA, procura estimular o desenvolvimento de inovação. Envolve, entre outras iniciativas, a construção de 45 centros de pesquisa em temas como materiais ultraleves, fibras revolucionárias e motorização híbrida.

China

O programa "Made in China 2025" quer consolidar a posição do país como gigante da manufatura e levá-lo à liderança entre os mais inovadores. Estão sendo construídos centros de inovação, com focos específicos. Os investimentos somam € 21,7 bilhões 

Mais conteúdo sobre:
EmbraerVale do Silício

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.