Para Meirelles, há pouco espaço para 'aventuras macroeconômicas'

Presidente do BC fez um discurso com forte ênfase na importância da estabilidade macroeconômica

Fábio Graner, da Agência Estado,

19 de março de 2010 | 10h48

Dois dias depois de o Comitê de Política Monetária (Copom) decidir manter a taxa básica de juros em 8,75% ao ano, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, fez há pouco um discurso com forte ênfase na importância da estabilidade macroeconômica. Por meio de videoconferência na 2ª Conferência Internacional de Crédito Imobiliário, promovida pelo BC, Meirelles explicou que a estabilidade é algo que "existe para ficar no Brasil".

 

"Durante décadas, o maior problema microeconômico era o risco macroeconômico. No momento que se tem imprevisibilidade, fica difícil tomar decisões de crédito, investimento, estoques. Este é um problema para o qual o Brasil já encontrou caminho. Resta consolidar esse caminho, consolidar a estabilidade e a previsibilidade como valores da sociedade", disse Meirelles, explicando que no Brasil muitas vezes as pessoas subestimaram os ganhos da estabilidade e superestimaram seus custos. "É muito importante que o valor da estabilidade seja um valor da sociedade brasileira".

 

Possivelmente vivendo seus últimos dias à frente do BC, Meirelles disse na videoconferência acreditar que há muito pouco espaço para "aventuras macroeconômicas". Segundo o presidente do BC, a combinação de estabilidade econômica, com segurança nas contas externas e melhoria no lado fiscal, além da solidez do sistema financeiro brasileiro, foi decisiva para que o Brasil fosse um dos últimos países a entrar na crise e um dos primeiros a sair. "Quando se sai mais rapidamente da crise, se tem condições de ganhar espaço no mundo. E é isso que está acontecendo, com maior oferta de recursos para o Brasil", disse Meirelles.

Tudo o que sabemos sobre:
Meirelles, juro, Copom

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.