Para mercado, medidas prudenciais são como alta de 0,75 pp no juro

Segundo pesquisa do Banco Central, para 2011, mercado espera que superávit primário fique em 2,7% do Produto Interno Bruto

Fabio Graner, da Agência Estado,

24 de fevereiro de 2011 | 09h26

O Banco Central divulgou há pouco os resultados de uma pesquisa enviada aos analistas de mercado que respondem ao levantamento semanal Focus sobre uma série de temas econômicos. A primeira pergunta feita foi sobre qual seria a variação da taxa básica de juros (Selic) equivalente às medidas macroprudenciais adotadas no início de dezembro do ano passado. A mediana das respostas foi de 0,75 ponto porcentual, enquanto a média de todas as estimativas ficou em 0,80 ponto porcentual, e a moda (maior frequência das respostas) apresentou dois resultados de 0,75 ponto porcentual e 1 ponto porcentual.

Outra questão feita pelo BC ao mercado foi sobre a expectativa de superávit primário do setor público. Para 2011, a mediana e a média das estimativas ficaram em 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB), enquanto a moda ficou em 2,5% do PIB. Para 2012, a mediana ficou em 2,9% do PIB, a média, em 2,8% do PIB e a moda em 3% do PIB.

A terceira questão colocada pelo BC aos analistas foi a projeção de variação nos preços das commodities em reais. A mediana das respostas foi 15% de alta, enquanto a média ficou em 14,8% e a moda em 15%.

Outra pergunta foi sobre qual o potencial de crescimento da economia brasileira. A mediana e a moda das respostas ficaram em 4,5%, enquanto a média, em 4,4%. A última questão colocada foi sobre qual seria a taxa de investimento em relação ao tamanho da economia condizente com um PIB potencial de 5,5%. A mediana das respostas foi 24% do PIB, a média ficou em 23,9% e a moda, em 25% do PIB. Segundo o BC, a intenção da pesquisa é diminuir a assimetria de informações no mercado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.