Para Morgan Stanley, Rússia não merece mesmo status do Brasil entre os Brics

Presidente para Ásia do Morgan Stanley, Stephen Roach, vem enfrentando bem as crises e que a Rússia segue muito atrelado ao petróleo e merece notas baixas em termos de transparência e governança

Luciana Antonello Xavier, da Agência Estado,

27 de outubro de 2011 | 15h45

O presidente para Ásia do Morgan Stanley, Stephen Roach, disse hoje (27) que a Rússia não merece ter o mesmo status que o Brasil como um dos Brics (Brasil, Rússia, Índia e China), durante debate sobre emergentes no fórum Buttonwood Gathering, promovido pela revista The Economist, em Nova York. A África do Sul, que foi adicionada ao grupo pelos países integrantes, não chegou a ser citada como parte do grupo.

"Tivemos nos últimos 30 anos 11 grandes crises financeiras, sendo as duas últimas a do subprime e agora a da dívida soberana europeia. E o Brasil tem se saído muito bem nessas duas últimas. O Brasil aprendeu por meio de lições muito dolorosas nos últimos 25 anos e temos que dar muito crédito ao Brasil por isso", avaliou. Roach ressaltou o sucesso que o Brasil tem tido no controle da inflação.

"Não dou à Rússia esse mesmo crédito. O país segue muito atrelado ao petróleo e merece notas baixas em termos de transparência e governança. Sem dúvida, Brasil e Rússia não merecem ter o mesmo status de Brics", disse.

Por outro lado, Roach também acha que a China se destaca desse grupo e não está na mesma posição que o Brasil. "Não colocaria Brasil na mesma liga que a China. O Brasil depende demais da China", observou.

Questionado sobre que países estariam atualmente em sua bolsa de apostas para investimentos fora dos Brics, Roach respondeu: "Provavelmente não seria a Grécia", brincou. "Mas há muitas oportunidades no mundo. O Japão vem fazendo um excelente trabalho em se recuperar do desastre (terremoto e tsunami de março deste ano) e estou impressionado com a força dos japoneses para reerguerem a economia", disse, citando ainda a Coreia do Sul como um país com muitas oportunidades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.