Para Positivo, compra da CCE pela Lenovo foi 'natural'

A recente compra da empresa brasileira CCE pela chinesa Lenovo foi avaliada como "natural" pelo presidente da Positivo, Hélio Rotenberg. "Foi um movimento mais ou menos natural, no momento em que não conseguiram nos comprar, procuraram outro", disse, durante apresentação da nova linha de produtos da empresa para 2013.

RODRIGO PETRY, Agencia Estado

29 de outubro de 2012 | 12h48

Rotenbeng evitou dar mais detalhes sobre a intenção de compra da Positivo por parte da Lenovo. "Já imaginávamos que isso (a compra da CCE) fosse acontecer e encaramos com bastante tranquilidade. Estamos prontos para a concorrência, que sempre foi muito aguerrida e agressiva no mercado de PCs", completou.

Segundo o executivo, a posição brasileira de terceiro maior mercado mundial de computadores atrai as atenções das multinacionais do setor. Enquanto no Brasil as vendas crescem, outros mercados têm enfrentado uma menor demanda pelos produtos. "A concorrência no Brasil ficou inigualável e vai continuar assim", disse.

Com a aquisição da CCE, a Lenovo deverá dobrar sua fatia no mercado brasileiro de PCs, para cerca de 7%. Em recente relatório, a Raymond James estima que a combinação de Lenovo com CEE criará a quarta maior empresa do setor no Brasil, atrás da Positivo, Samsung e HP.

Segundo a empresa de pesquisa Gartner, a Lenovo, mundialmente, assumiu a liderança do mercado de PCs no terceiro trimestre deste ano, ultrapassando a HP.

Tudo o que sabemos sobre:
Positivomercadoconcorrência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.