Para sindicatos e indústria, Copom poderia ter feito corte maior na Selic

Presidentes de entidades sindicais avaliaram decisão dos membros do Comitê como 'extremamente tímida'; comércio e CNI, por outro lado, elogiaram redução de juro

Agência Estado,

30 de novembro de 2011 | 20h14

SÃO PAULO - Em nota conjunta, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), o Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC defenderam um corte maior na taxa básica de juros. Há pouco, o Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, reduziu a taxa Selic em 0,50 ponto porcentual, para 11% ao ano. Recentemente, as entidades patronais e de trabalhadores se uniram em um movimento para pressionar o governo por juros mais baixos.

"A situação é grave e não há pressão inflacionária, e concordamos que o Copom deveria ter feito um corte mais agressivo na taxa de juros, para afastar de vez o risco de redução da produção e do emprego", afirma a nota, assinada pelos presidentes das entidades, Paulo Skaf (Fiesp), Luiz Aubert Neto (Abimaq), Miguel Torres (Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo) e Sérgio Nobre (Sindicato dos Metalúrgicos do ABC).

Na nota, as entidades enfatizam que os dados mais recentes da economia brasileira indicam queda na atividade industrial e no comércio varejista e desaquecimento no mercado de trabalho e no crédito. "É importante frisar que a redução da taxa de juros implicará economia adicional para os cofres públicos. Cada ponto porcentual da taxa Selic equivale a R$ 17 bilhões em gastos públicos adicionais", diz o texto. "Além disso, os altos juros encarecem nossos produtos e levam parte da renda de nossos consumidores."

Da mesma maneira, os presidentes da Força Sindical, da União Geral dos Trabalhadores (UGT), da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), da Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST) e da Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB) avaliaram como "extremamente tímida" a decisão do Comitê. As entidades sindicais consideraram que a autoridade monetária perdeu uma "ótima oportunidade" de reduzir a taxa de juros em um momento de encolhimento da demanda mundial. "A qual poderia funcionar como um estímulo para a criação de novos empregos e para o aumento da produção no País", ressaltaram.

As entidades sindicais argumentam que o Brasil tem a "possibilidade" e a "oportunidade" de manter e dinamizar neste momento a atividade econômica interna, bem como de gerar emprego e renda, se apostar no mercado interno por meio da redução da taxa de juros. "A redução dos juros é também importante para conter a valorização do real, que tanto afeta as exportações e a produção industrial brasileira", lembram as centrais sindicais, as quais alegam que a cada corte de um ponto porcentual na taxa de juros o governo federal economiza R$ 17 bilhões com o pagamento de juros da dívida pública. "Na luta pela redução da taxa de juros, os trabalhadores estão unidos a todos os brasileiros que querem ver o Brasil livre da especulação financeira desenfreada."

Redução não traz riscos à inflação, diz CNI

Já a Confederação Nacional da Indústria (CNI) avaliou que a a decisão do Copom é correta e evidencia a preocupação do Comitê com a retração já em curso da atividade econômica no País". De acordo com a Confederação, "não há mais dúvida de que a economia brasileira já sofre os efeitos de uma nova fase da crise internacional". E portanto, defende a entidade, "a prioridade, agora, deve ser mitigar seus impactos no Brasil".

Para a CNI, ao antecipar-se à nova fase da crise, o Copom adotou postura diferente da crise de 2008, quando foi tímido. Na opinião da entidade, a continuidade da política de redução de juros é fundamental para amenizar a desaceleração da produção industrial, setor mais afetado pela crise.

A entidade ainda considera que essa redução "não traz riscos imediatos à inflação, uma vez que os dados recentes mostram desaceleração da taxa inflacionária, principalmente em função dos preços dos alimentos". Esse cenário, prevê a CNI, deve manter o IPCA próximo ao limite superior da meta do ano.

Decisão 'sadia e sensata'

 A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP) considerou "sadia" e "sensata" a decisão do Copom. O corte feito pela autoridade monetária, na avaliação da entidade, deixa o Brasil com uma taxa de juros mais próxima de um dígito. Mas a Fecomercio-SP fez uma ressalva: "É apenas a correção de um equívoco do governo federal quando estabeleceu um arsenal macroprudencial no final de 2010 para combater a alta dos preços", afirmou, em nota.

O presidente da Fecomercio-SP, Abram Szajman, lembrou que, desde aquele momento, a entidade tem alertado sobre o erro conceitual das decisões. "Conter inflação proveniente de gargalos produtivos e de fatores pontuais e localizados através de política monetária tradicional custa muito caro em termos sociais e produz um efeito pífio, como estamos vendo no momento", ressaltou. "Além disso, não havia um processo de super endividamento ou de risco de descontrole de inadimplência, para o qual houve a adoção de medidas restritivas no mercado de crédito", acrescentou. Na avaliação da entidade, o mercado está sob controle e não há evidências de um processo de inadimplência a caminho.

A Fecomercio-SP espera que em 2012 o Banco Central persiga uma taxa menor, reduzindo o porcentual para um dígito por "um bom período de tempo". A entidade argumenta, na nota, que não consegue identificar os motivos pelos quais o Brasil tenha de manter taxas básicas de juros no curto e no longo prazos "tão elevadas". "Há situação fiscal favorável, câmbio apreciado, inadimplência e mercado de crédito sob controle, sistema financeiro robusto e saneado, e, funcionamento institucional adequado", afirma. "Talvez hoje no mundo nenhum outro país se encontre na mesma situação, tão favorável para combinar crescimento econômico sustentável com taxas de juros baixas", emenda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.