Aline Bronzati/ Estadão
Aline Bronzati/ Estadão

Parceria com Mercado Livre garantirá receita extra de R$ 1 bi à Gol nos próximos anos

Para este ano, o uso de seis aeronaves da frota para transporte de mercadorias do marketplace deve trazer R$ 100 milhões para a companhia aérea

Juliana Estigarríbia, O Estado de S.Paulo

19 de abril de 2022 | 14h56

O Mercado Livre e a Gol anunciaram nesta terça-feira, 19, uma parceria para expandir as entregas da gigante do comércio eletrônico via aérea. A Gol vai oferecer uma estrutura de seis aeronaves de cargas dedicadas à varejista. O acordo prevê ainda opção de seis aeronaves adicionais até 2025. O acordo vale por dez anos.

De acordo com o diretor executivo da GolLog (unidade de logística da aérea), Julio Perotti, a parceria com o Mercado Livre deve gerar uma receita adicional importante para a companhia. "Devemos ter uma receita incremental de R$ 100 milhões em 2022 com a parceria e de R$ 1 bilhão nos próximos cinco anos", disse o executivo a jornalistas. 

Segundo o presidente da Gol, Paulo Kakinoff, serão seis aeronaves modelo Boeing 737-800 convertidas em cargueiros, em uma operação feita pela própria fabricante. Ou seja, não se trata de equipamentos novos.

Com a conversão, a Gol terá uma economia de caixa, já que não precisará devolver as aeronaves para os "lessores" (empresas que detêm os aviões) e pagar o custo de devolução do equipamento. "Vamos economizar R$ 25 milhões em 2022 e R$ 75 milhões em 2023", disse Kakinoff.

Agilidade para o Mercado Livre

Segundo o líder do Mercado Líder no Brasil, Fernando Yunes, hoje a companhia opera com três aeronaves no Brasil para chegar a regiões mais distantes dos centros de distribuição. "Vamos sair de 3 para 9 aeronaves, serão seis aviões que a Gol vai servir o Mercado Livre de forma exclusiva. Isso vai triplicar nossa capacidade de voos ao redor do Brasil", disse em coletiva de imprensa.

Yunes acrescentou que três aeronaves entrarão em operação em junho deste ano e outras três durante 2023.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.