Parceria inédita leva café torrado e moído a evento em Paris

Ribeirão Preto, 30 - Pela primeira vez produtores de café e a indústria do Brasil se uniram para divulgar o produto e buscar acordos comerciais para grãos de qualidade superior em uma feira internacional. Uma parceria entre a Cooperativa de Produtores de Cafés Especiais de Altinópolis (SP) (Cooalt) e a indústria Nhá Benta Alimentos, de São Bernardo do Campo (SP), vai levar o café torrado e moído da marca Tiradentes, produzido no País desde 1915, para o Salão Internacional da Alimentação, entre os dias 17 e 21 de outubro, em Paris, na França. O café passará a ter grão de alta qualidade, 100% arábica e 100% com origem certificada de Altinópolis, cidade que figura entre os maiores centros produtores do grão no Estado de São Paulo. De acordo com João Abrão Filho, da Cooalt, "a iniciativa inédita mostra ser possível uma aproximação entre a indústria e o produtor rural na comercialização do café com compromisso de origem, rastreado e com um forte apelo social". O apelo social, no caso, está, segundo Abrão, no fato de os trabalhadores rurais das lavouras de Altinópolis terem total atenção do poder público em uma parceria com os produtores. "Os trabalhadores recebem café da manhã, almoço e têm os filhos na escola durante o tempo integral. Já os produtores estão adotando um sistema de rastreabilidade dos grãos e aguardam a certificação de todo esse processo", afirmou. Na feira em Paris, serão levadas, além de amostras do produto brasileiro, folhetos em quatro idiomas. O lucro obtido nas futuras negociações do café Tiradentes será dividido entre produtores e a indústria. Nesta safra, a cidade de Altinópolis deve colher 300 mil sacas de café e reservar 100 mil sacas considerada de qualidade superior para as vendas ao exterior. Estima-se que 5.200 expositores vão participar do Salão Internacional da Alimentação de Paris (Sial), vindos de mais de 90 países. Os organizadores esperam público de 130 mil visitantes. Segundo o diretor-executivo da Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), Nathan Herszkowicz, na feira de Paris haverá espaço exclusivo para o café brasileiro, numa área de 70 metros quadrados. Quatro marcas confirmaram participação: Bom Dia, Damasco, Cocamar e Tiradentes, que lançará o café gourmet com identificação de origem (Altinópolis, na alta mogiana paulista). Embora os Estados Unidos sejam compradores de cerca de 60% do torrado e moído exportado no mundo, "existem outros mercados a serem explorados", diz Nathan. Segundo ele, há expectativa de que uma das grandes redes varejistas da Polônia (Biedronka) venha a participar do encontro da indústria nacional de café (12º Encafé), que ocorrerá em novembro, na Bahia. Segundo ele, os poloneses mostraram interesse no torrado e moído nacional, depois de evento de apresentação de produtos típicos brasileiros, que governo e iniciativa privada organizaram na semana passada naquele país do Leste Europeu. A Abic e a Agência de Promoção à Exportação (Apex) estimam que a exportação de torrado e moído este ano vai ficar abaixo das expectativas. Inicialmente, a projeção era de receita de cerca de US$ 29 milhões. Agora, os números devem ficar entre US$ 15 milhões e US$ 20 milhões. Nathan justifica o desempenho dizendo que o fechamento de negócios com o exterior é demasiadamente lento. Apesar disso, o resultado deste ano deve superar os US$ 12,8 milhões do ano passado e está bem acima do desempenho de 2002, cuja receita foi de apenas US$ 5,7 milhões. (segue)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.