Parte da reforma financeira será implementada em 2012, diz Geithner

 A reforma do sistema financeiro dos EUA, conhecida como lei Dodd-Frank, tem como objetivo evitar a repetição da crise de 2008, reduzindo o impacto que algumas grandes empresas do setor teriam sobre a economia caso falissem

Agência Estado,

02 de fevereiro de 2012 | 20h25

WASHINGTON - O secretário do Tesouro dos EUA, Timothy Geithner, defendeu a reforma do sistema financeiro do país e afirmou que algumas das principais mudanças por ela previstas devem passar a vigorar neste ano. "Aqueles que ainda estão trabalhando para atrasar e enfraquecer as reformas apenas aumentarão a incerteza", disse a autoridade, durante um discurso preparado. 

A reforma do sistema financeiro dos EUA, conhecida como lei Dodd-Frank, tem como objetivo evitar a repetição da crise de 2008, reduzindo o impacto que algumas grandes empresas do setor teriam sobre a economia caso falissem. As agências reguladoras norte-americanas ainda estão preparando uma série de regras relacionadas à legislação, que enfrenta oposição do Partido Republicano e de Wall Street. 

Isso porque instituições financeiras que não podem ser enquadradas no setor bancário - e que por isso não eram submetidas às regras aplicáveis aos bancos - terão de possuir reservas de capital maiores do que as atuais e limitar seus negócios de risco. Nesse grupo, estão fundos de hedge e seguradoras, por exemplo.

Geithner disse que também estão no forno novas regras para separar o dinheiro de clientes do dinheiro das corretoras. "O fracasso das regras de segregação de contas na proteção dos clientes da MF Global ilustra que ainda temos trabalho pela frente", acrescentou. O governo também está adotando medidas para reformar o mercado de financiamento habitacional e detalhes devem ser divulgados nos próximos meses, de acordo com o secretário.

Os pré-candidatos republicanos à presidência dos EUA afirmaram repetidas vezes durante a campanha que pretendem se livrar da legislação se forem eleitos. "Eu rejeitaria a Dodd-Frank amanhã. Veríamos a economia começar a melhorar da noite para o dia. A Dodd-Frank deixou os grandes bancos ficarem maiores e prejudicou os bancos independentes", disse o candidato Newt Gingrich numa entrevista ao Las Vegas Review-Journal. 

As informações são da Dow Jones. (Gustavo Nicoletta)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.