Passaredo troca investimentos em São Paulo por Goiás

Uma série de benefícios fiscais e melhores condições de infraestrutura levaram a Passaredo Linhas Aéras - segunda maior companhia de aviação regional do País, atrás da Trip - a trocar Ribeirão Preto (SP) por Goiânia (GO) como a sede da nova base operacional da companhia. Os investimentos iniciais previstos chegam a R$ 12 milhões para a construção de um novo centro de treinamento e de hangares de manutenção no aeroporto Santa Genoveva, cujo prazo previsto é de 18 meses. "Os programas de incentivo do governo de Goiás à aviação regional foram fundamentais", disse José Felício Filho, presidente da Passaredo.

GUSTAVO PORTO, Agencia Estado

22 de fevereiro de 2011 | 12h34

A redução de 15% para 3% do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do querosene de aviação em Goiás, em novembro de 2010, foi o principal motivo alegado pela companhia para a mudança. Em São Paulo, o ICMS sobre o combustível é de 25%. O querosene corresponde a até 40% dos custos totais da companhia. Além disso, a Passaredo contará com linhas de financiamento para as obras do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) e outros incentivos fiscais do próprio governo de Goiás.

Segundo Felício, cerca de 400 empregos diretos devem ser gerados em Goiás, mas toda a estrutura em Ribeirão Preto será mantida. "Nós só transferiremos os planos de expansão para Goiânia, onde já temos 34 operações por dia", disse. Contribuiu ainda para a decisão da Passaredo a falta de infraestrutura do aeroporto Leite Lopes, de Ribeirão Preto, cujo projeto de ampliação se arrasta há quase uma década sem que haja uma definição.

De acordo com o presidente da Passaredo, no ano passado a companhia apresentou ao Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (Daesp) o projeto para a expansão em Ribeirão Preto, mas "a indefinição sobre o futuro do aeroporto não permitiu que ele fosse consolidado", disse. "É um plano para 15 anos, 20 anos e não poderíamos conviver com essa insegurança para o investimento", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.