Pedro de Camargo Neto assume presidência da Abipecs

São Paulo, 14 - O ex-presidente da Sociedade Rural Brasileira e ex-secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pedro de Camargo Neto, vai comandar a Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs). O anúncio foi feito hoje de manhã, na sede da entidade. A posse de Camargo Neto sela também uma mudança no organograma da Abipecs. O cargo de presidente do Conselho, ocupado por representante de uma das indústrias associadas, foi extinto. Em seu lugar, foi criado o cargo de coordenador do conselho, com revezamento a cada seis meses. O cargo de diretor-executivo, antes ocupado por executivo contratado pela entidade, foi mudado para presidente-executivo. "O objetivo é dar maior trânsito e independência para o novo presidente", disse Pedro Benur Bohrer, ex-presidente do Conselho e seu atual coordenador. Camargo Neto substitui Cláudio Martins, que deixou a Abipecs. Martins, que acumulava a diretoria dessa entidade e da Abef (Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frango), passará a se dedicar apenas à avicultura. "Era necessário haver uma pessoa para cada cargo", explicou Martins. "Ele foi convidado a ocupar a presidência da Abipecs mas preferiu continuar na Abef", explicou Bohrer. O atual coordenador do conselho da Abipecs disse que a escolha de Camargo Neto foi feita por meio e "head-hunter". O objetivo era encontrar executivo que tivesse conhecimento da área agrícola e exportadora, mas não tivesse nenhuma passagem pela cadeia suinícola. Como secretário de Produção e Comercialização do Ministério da Agricultura na gestão de Pratini de Moraes, Pedro de Camargo Neto participou das negociações da Rodada de Doha. Ele também foi um dos articuladores dos processos que o Brasil move na OMC contra União Européia e EUA, por práticas ilegais no comércio de algodão e de açúcar. O novo presidente da Abipecs já assume a entidade com um desafio. Reabrir o mercado russo para as exportações brasileiras de carne suína, fechado desde 20 de setembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.