Pesquisa/BC: projeção de IPC para 2005 tem 1ª alta em 9 semanas

Brasília, 30 - As instituições financeiras ouvidas em pesquisa semanal do Banco Central (BC) elevaram suas projeções de IPCA para 2005 de 5,50% para 5,52%. Foi a primeira alta registrada no levantamento do BC depois de nove semanas consecutivas de estabilidade em 5,50% e ocorreu justamente após a ata da última reunião do Copom divulgada na última quinta-feira ter alertado sobre os riscos de aumento das previsões de inflação para o próximo ano. Na visão de alguns analistas de mercado, o aumento das projeções poderá indicar a possibilidade de o Copom se ver obrigado a subir os juros já na reunião de setembro. Para 2004, as projeções de IPCA contidas na pesquisa divulgada há pouco saltaram de 7,19% para 7,25%, ficando mais próximas do teto de 8% da meta de inflação do corrente ano. As estimativas para o IPCA em 12 meses à frente subiram, na mesma pesquisa, dos 6,25% da semana passada para 6,27%. Apesar do aumento, o porcentual ainda é menor que os 6,29% projetados pelo mercado há quatro semanas. As previsões para o mês em curso foram elevadas de 0,60% para 0,61% e as estimativas para setembro próximo subiram de 0,56% para 0,60%, ficando num patamar próximo ao da inflação estimada para este mês. A pesquisa ainda registrou um aumento das estimativas de reajuste dos preços administrados para este ano de 8,39% para 8,40%. Para 2005, as previsões de aumento dos preços administrados passou de 6,65% para 6,75%. As elevações ocorreram depois de uma semana em que o preço do petróleo no mercado internacional registrou uma tendência de queda. As reduções no entanto não foram suficiente para trazer estes preços uma faixa inferior aos US$ 40,00 por barril. (Gustavo Freire) As projeções de mercado para a taxa de juros no fim do ano permaneceram estáveis em 16% ao ano em pesquisa semanal do Banco Central (BC). A estabilidade registrada pela terceira semana consecutiva ocorreu mesmo a pesquisa tendo registrado elevações das previsões de IPCA para este e o próximo ano. Para o fim de 2005, as instituições financeiras ouvidas pelo BC mantiveram suas previsões de juros em 14,75% ao ano. As previsões para setembro próximo também não se alteraram e permaneceram em 16% ao ano pela sexta semana consecutiva. As previsões de taxa de câmbio para o fim do corrente mês, por sua vez,recuaram de R$ 3,05 para R$ 3,00, ficando ainda num patamar acima dos R$ 2,95 do fechamento da última sexta-feira. Para o fim de setembro próximo, as projeções de mercado para a taxa de câmbio recuaram de R$ 3,05 para R$ 3,04. Para o final do ano, as projeções colhidas pelo BC continuaram estáveis em R$ 3,10 pela décima terceira semana consecutiva. As estimativas de câmbio para o fim de 2005, entretanto, recuaram de R$ 3,21 para R$ 3,20. (Gustavo Freire)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.