Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Petrobrás assina acordo para venda de distribuidoras no Paraguai e estima receber R$ 1,45 bi

Empresas que estão sendo vendidas atuam no mercado de distribuição e comercialização de combustíveis, GLP, lubrificantes e outros produtos especiais

Karin Sato, O Estado de S.Paulo

27 Junho 2018 | 09h57

Em reunião realizada ontem, o conselho de administração da Petrobrás aprovou a assinatura de um contrato para venda integral para o Grupo Copetrol da participação societária nas seguintes empresas que estão no Paraguai: Petrobrás Paraguay Distribución Limited (PPDL UK), Petrobrás Paraguay Operaciones y Logística SRL (PPOL) e Petrobras Paraguay Gas SRL (PPG).

+ Governo notifica Petrobrás, Ipiranga e Raízen sobre repasse na venda de diesel

A entrada de caixa estimada com a venda é de US$ 383,5 milhões, cifra que corresponde a cerca de R$ 1,45 bilhão. Serão pagos nesta data US$ 49,3 milhões, como adiantamento na forma de depósito em uma conta garantia (escrow account), e US$ 334,2 milhões serão pagos no dia do encerramento da transação, incluindo aproximadamente US$ 55 milhões referentes ao caixa das empresas.

+ Presidente da Petrobrás se encontra com CEO da LyondellBasell

+ Câmara não consegue concluir votação do projeto de cessão onerosa da Petrobrás

O valor da venda ainda está sujeito a ajustes em razão das variações de capital de giro até o fechamento da operação. O Grupo Copetrol atua na distribuição de combustíveis e GLP no Paraguai, contando com uma rede de cerca de 350 estações de serviço e terminais de armazenamento.

+ Projeto do pré-sal favorece Petrobrás

+ Câmara dos Deputados aprova projeto que resolve impasse do pré-sal

A assinatura do contrato será realizada nesta quarta-feira pela Petrobrás International Braspetro B.V. (PIB BV), subsidiária da Petrobrás, e a Corporación Paraguaya Distribuidora de Derivados del Petróleo S.A., empresa do Grupo Copetrol.

As empresas que estão sendo vendidas atuam no mercado de distribuição e comercialização de combustíveis, GLP, lubrificantes e outros produtos especiais, por meio de uma rede de 197 estações de serviços, um terminal de armazenamento próprio e operações em três aeroportos. A conclusão da transação está sujeita aos trâmites de aprovação segundo as normas e leis do Paraguai.

A operação faz parte do Programa de Parcerias e Desinvestimentos da Petrobrás e está alinhada ao Plano de Negócios e Gestão 2018-2022, que prevê a otimização do portfólio da companhia.

Mais conteúdo sobre:
Paraguai [América do Sul] Petrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.