Petrobras compra ativos de distribuição da Exxon no Chile

A Petrobras anunciou nestasexta-feira acordo para a compra da participação da ExxonMobilna Esso Chile Petrolera e em outras empresas chilenasassociadas, em um negócio de 400 milhões de dólares. A transferência do controle deverá ocorrer no segundotrimestre de 2009. "Esta aquisição consolida a presença da companhia nosegmento de distribuição de combustíveis na América Latinaonde, além do Brasil, a empresa já opera na Argentina,Colômbia, Paraguai e no Uruguai, através de uma rede de cercade 1.000 postos de serviços", informou a estatal em nota. O anúncio do negócio foi feito meses depois de a Petrobrasver frustrada a sua intenção de comprar os ativos da Esso noBrasil. Em abril, a Cosan, gigante do setor açúcar e álcool, levouos ativos de distribuição da norte-americana no país por 826milhões de dólares. Após a Cosan ter adquirido os ativos da Esso, a Petrobrasafirmou que mantinha interesse nas operações de distribuição Dacompanhia dos EUA no Chile e Uruguai. O acordo no Chile abrange o negócio de combustíveis nosmercados de varejo, industrial e de aviação. Entre os ativos estão: 230 postos de serviços, dos quais109 próprios; distribuição e venda de combustíveis em 11aeroportos; seis terminais de distribuição de combustíveis,sendo quatro próprios e dois em joint venture. O negócio prevê ainda a participação acionária de 22 porcento na Sociedad Nacional de Oleoductos e de 33,3 por cento naSociedad de Inversiones de Aviación. As operações de químicos, de lubrificantes e de produtosespeciais da ExxonMobil no Chile não fazem parte do acordo. As operações adquiridas no Chile registraram volumes devendas, em 2007, de aproximadamente 74, 40 e 20 mil metroscúbicos/mês nos segmentos varejo, industrial e aviação,respectivamente. Segundo a Petrobras, a participação das empresas negociadasnos mercados de varejo e industrial é de 16 por cento e 14 porcento, respectivamente. "O negócio reforça a imagem da Petrobras no exterior,especialmente no Chile, para onde exportamos, em 2007,petróleo, GLP, gás natural, petroquímicos e lubrificantes,totalizando cerca de 1,5 bilhão dólares", disse a empresa,observando que o principal fornecedor de derivados e únicorefinador do país é a estatal ENAP, "com quem a Petrobras temum forte relacionamento", segundo a nota da empresa. (Reportagem de Roberto Samora; edição de Denise Luna)

REUTERS

08 de agosto de 2008 | 11h06

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIAPETROBRASATUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.