Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Petrobras conclui contratação de quatro cascos

A Petrobras concluiu o processo de contratação dos quatro cascos que serão convertidos em unidades do tipo FPSO para atuar nas áreas da cessão onerosa, disse o gerente de Planejamento de E&P Pré-Sal da petroleira, Mauro Hayashi. Segundo ele, o primeiro casco de um navio petroleiro do tipo VLCC já está sendo trazido para o Brasil e vai ser alocado na área de Franco - a maior da cessão onerosa - que está sendo perfurada no momento. Ele não revelou o valor da aquisição, mas estima-se no mercado que o casco custe em torno de US$ 30 milhões.

KELLY LIMA, Agencia Estado

28 de setembro de 2011 | 12h38

Os quatro cascos serão convertidos no antigo estaleiro Inhaúma - ex-Ishibrás - no Rio. A área foi arrendada pela Petrobras e deverá ser reformada para receber as obras. Atualmente há uma licitação para decidir a empresa que vai realizar este processo de modernização. A expectativa é de que até o início de outubro isso seja definido.

As obras de modernização do estaleiro vão ocorrer simultaneamente à conversão do casco. A perspectiva, disseram técnicos da companhia, é de que as obras de modernização estejam concluídas até meados do próximo ano.

A Petrobras pretende iniciar a produção na cessão onerosa em 2015. A área de Franco será a primeira da região a ser explorada e receberá um FPSO com capacidade de 150 mil barris por dia. As demais unidades entram em operação até 2020.

Os serviços de construção dos módulos das quatro plataformas e também as obras de integração devem ser contratadas no primeiro semestre do próximo ano. A Petrobras agora está na fase de elaboração dos projetos dos módulos.

Atualmente, a companhia está perfurando o terceiro poço de Franco, como estratégia de delimitação do reservatório, estimado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), em torno de 4,5 bilhões de barris recuperáveis.

Tudo o que sabemos sobre:
Petrobrascascosestaleiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.